CANDIDATURA ÚNICA

O vice-prefeito de Biguaçu, Vilson Alves (PP) acredita em candidatura única no próximo pleito municipal de 2020.

Alves deslumbra uma chapa de apenas um candidato unindo as principais siglas que se digladiam faz décadas no município (PP e PMDB). Essa tese já foi defendida e inclusive trabalhada por Vilson antes do confronto eleitoral do ano passado.

Respeito a opinião do vice-prefeito, mas acho descabido de qualquer hipótese. É a mesma coisa que unir o estado islâmico com o presidente Donald Trump dos EUA. Até porque se isso vier a acontecer, vai ter gente de partido pequeno que irá se candidatar com o simples discurso de acabar com as oligarquias, porque chapa única é um desfavor para a democracia.

 

ZEBRA

 

Antes tarde do que nunca para informar. Nas eleições do ano passado o PMDB de Biguaçu lançou chapa única, isto é, colocou dois políticos da mesma sigla partidária (Tuta e André) para prefeito e vice.

Muita gente não entendeu o porquê de o PMDB não ter se coligado na majoritária com outro partido. Para muitos, esse fato mais a falta de poder econômico, melaram o favoritismo do peemedebista no pleito municipal de 2016. Além disso, teve também a rejeição de nomes de outros partidos para compor com Tuta, por causa da confiança. Muita gente entendia que o Tuta, depois de eleito, poderia perder o mandato por causa das ações que tinha contra ele e, com isso, o vice poderia assumir. André era do PMDB e se o vice fosse de outro partido, uma eventual cassação de mandato de Tuta eleito prefeito entregaria o ouro para outro partido. Por incrível até essa preocupação tiveram. Não esperavam a derrota por apenas 83 votos. Deu zebra!

 

 

NA VAI TER JANELA

Nos bastidores da política comentam que não haverá “janela”. Para quem não sabe “janela” é uma brecha política que se abre um precedente para que políticos eleitos possam trocar de sigla partidária sem que se perca o mandato.

Essa opção cairia muito bem para o vereador Douglas Borba que almeja trocar o PP pelo PSDB no ano que vem. Borba já anunciou sua pretensão de ser candidato a deputado federal e essa disputa ele iria fazer em outro partido sem ser o PP. Se a janela não sair e Douglas se arriscar a disputar eleições para deputado em 2018 corre o risco de que o PP reivindique sua cadeira no legislativo municipal.

Diante dessa possibilidade, para Douglas não correr o risco só se filiando num partido novo.

 

 

ASSEDIADO

A coluna recebeu a informação de que o suplente de vereador do PP, João Luz, iria filiar-se no PSDB ou teria sido convidado para ingressar no ninho tucano.

Questionado, Luz disse que não vai para partido algum e que está feliz no PP, mas que o futuro a Deus pertence.

Informou também que é sondado todos os meses por algum partido. Ele crê que se deve ao fato dele ser o décimo primeiro candidato a vereador mais votado no pleito do ano passado. Para quem não sabe João Luz teve 820 votos e é o primeiro suplente do PP para o legislativo municipal.