Publicidade

A ressaca que tem assolado o litoral catarinense na últimas semanas fez grande estragos em Governador Celso Ramos. Na praia de Palmas, por exemplo, uma rua foi destruía dando o maior transtorno aos moradores locais.

O prefeito de Gov. Celso Ramos, Juliano Duarte Campos, vem vendo cobrado por munícipes para arrumar os estragos, mas ele anunciou que só o fará mediante autorização do Ministério Público Federal.

“ Quero arrumar os estragos, mas não farei enquanto não tiver a autorização do Ministério Público Federal. Enquanto eu não tiver essa autorização, não poderei fazer qualquer reparo nos estragos da ressaca na praia de Palmas. É isso o que falei”, observou Juliano.

Como diz o ditado nheengatu, “macaca tuié hu mundeo i pu i ciumbisca opé” (Trad: “Macaco velho não boca em cumbuca”.)

A  foto já diz tudo. A ressaca fez um belo estrago em Palmas, inclusive destruiu uma rua. Os moradores da região literalmente ficaram sem entrada nem saída.

Numa situação dessas, o prefeito pega as máquinas e vai arrumar. Aterra, coloca pedras, refaz a rua, limpa, enfim, arruma o que foi estragado.

A obra é feita com boas intenções atendendo à solicitação dos moradores. E quando menos espera, eis que o prefeito ganha uma baita multa e é processado pelo Ministério Público Federal (MPF) sob alegação de estar fazendo uma obra “não autorizada”, em “área de proteção ambiental”, “sem as técnicas devidas” etc e tal.

Como o seguro morreu de velho, Juliano observa que não vai colocar a mão nessa cumbuca.

 

SÓ COM AUTORIZAÇÃO

Moradores já vieram pedir para Juliano refazer a rua e arrumar todos os estragos feitos pela ressaca.

“Eu farei sim, mas apenas se o Ministério Público Federal me autorizar. Se eu não receber essa autorização, não irei arrumar nada. Já solicitei audiência com a Procuradora do Meio Ambiente do Estado, Analúcia Hartmann, para conversar sobre os procedimentos e fazer as obras de reparo seguindo as determinações do Ministério Público. Por isso, repito: enquanto não vier a autorização, não poderei fazer nada”, observa.

Na realidade, Juliano está precavendo-se. Por qualquer obra que manda fazer e se os operários fizerem um aterro que não está na legislação ambiental, o prefeito é capaz de levar multas e processos movidos pelo Ministério Público. E no caso de político, tais processos acabam em inelegibilidade. Para evitar isso, Juliano está sendo prudente.

 

PREJUÍZOS

O prefeito Juliano acredita que os prejuízos da ressaca nas praias de Governador Celso Ramos possam chegar a R$ 1 milhão. Em alguns trechos, será preciso instalar muros de contenção, o que é caro.

Para viabilizar essas obras, Juliano buscará verbas estaduais e federais. Mas ressaltando: se o Ministério Público não autorizar, as obras de reparo não serão feitas.

 

Juliano Duarte Campos, prefeito de Governador Celso Ramos. (Foto Arquivo JBFoco)
Publicidade