A região de Três Riachos, interior de Biguaçu, precisa urgentemente de uma capela mortuária, observou a vereadora Magali Prazeres (PMDB) na última semana na tribuna da Câmara Municipal de Biguaçu.

Ela se reportou da situação constrangedora que passou uma família na região. Um pai de família faleceu no final da semana passada e, como não há capela mortuária na região, o povo sempre recorre ao salão paroquial da Igreja da Limeira para realizar os velórios.

No entanto, o salão estava ocupado por uma festa de casamento. Não tendo como ocupar o mesmo local ao mesmo tempo, a família acabou velando seu ente querido em sua casa, mas o espaço era pequeno demais para o público que compareceu.

De acordo com Magali, a população da região clama por uma capela mortuária porque não tem mais como improvisar velórios na capela da Limeira. Já imaginaram ter no mesmo local o velório de um lado e a festa de casamento em outro? Não seria no mínimo constrangedor?

 

BRIGA

Na região de Três Riachos, num vilarejo próximo, São Mateus, encontra-se a escola estadual desativada Basilício José de Andrade.

O vereador Nei Cláudio da Cunha (PPS) recentemente lançou uma campanha reivindicando que essa escola seja transformada numa creche para atender a população local.

No entanto, o vereador Salmir da Silva (PMDB), que recentemente esteve numa reunião com moradores de São Mateus, informou que estes querem que a escola desativada seja transformada em capela mortuária.

Por outro lado, a escola era para ser transformada no “Centro de Zoonoses de Biguaçu”, isto é, um canil municipal para recolher e tratar cachorros e gatos abandonados.

E agora?

 

ACORDO

O vereador Elson Silva (PSD), popular “Elson da Rússia”, fez um aparte contando que, quando atuou como secretário municipal de agricultura de Biguaçu, havia a discussão de quem cabia a responsabilidade de administrar os cemitérios de São Miguel e o principal da cidade, o do bairro Fundos (na realidade, pelo novo mapa da cidade, o cemitério em questão, situado na rua que dá acesso ao bairro Fundos (daí a referência), marca o fim do bairro Rio Caveiras).

Em resumo bem radical: a prefeitura de Biguaçu ficou responsável pelos cemitérios de Fundos e São Miguel, mas a Paróquia São João Evangelista não vem dando conta da administração de outros cemitérios do município e, para piorar o quadro, há carência de capelas mortuárias.

Como resolver o problema? Por isso, Elson observou ser preciso marcar uma reunião com a Igreja Matriz São João Evangelista para discutir o que fazer para resolver o problema.

 

SOROCABA

O vereador João Domingos Zimmermann (PMDB) fez um aparte informando que, pelo menos, a região de Sorocaba, do outro lado da zona rural de Biguaçu, não tem problema por falta de capela mortuária, pois esta foi construída, se não me falta a memória, na época do ex-prefeito Tuta (2001-2008).

“O trabalho feito em Sorocaba pode servir para resolver o problema em Três Riachos”, observou.

O vereador Salmir da Silva fez um aparte informando que o cemitério de Sorocaba de Dentro é administrado pela prefeitura, ou seja, Salmir fez essa observação em alusão à observação anterior de seu colega, Elson da Rússia, que havia dito que a prefeitura administrava apenas dois cemitérios no município. Na realidade, segundo Salmir, são três.

 

DISCUSSÃO

A vereadora Magali Prazeres retomou a palavra reclamando que, por causa da falta de capela mortuária na região de Três Riachos, muitas famílias daquela região acabando tentando procurar a capela mortuária ao lado do cemitério do Fundos para velar seus entes queridos.

O problema é que às vezes não tem espaço porque estão sendo velados outros mortos no mesmo espaço, ainda mais que a maioria da população de Biguaçu mora no perímetro urbano e, consequentemente, por questões até estatísticas, há mais falecimentos e, por isso, a capela mortuária do principal cemitério de Biguaçu, que fica no perímetro urbano e tem mais população, não para de receber velórios. Ou seja, conseguir vagas para velórios não é tarefa fácil.

“Enfim, o interior sofre”, resumiu Magali.

 

PROBLEMAS

O vereador Nei Cunha (PPS) concordou com Magali. Comentou que o velório de seu irmão teve de ser realizado em São José por falta de vagas na capela mortuária do Fundos. A família de Cunha é do bairro Bom Viver.

Cunha salientou que é “urgência urgentíssima” a necessidade de se construir uma capela mortuária para atender a população da região de Três Riachos (leia-se Limeira, Canudos, São Mateus, Três Riachos etc).

“Proponho uma reunião entre a prefeitura e a paróquia São João Evangelista para tentar um acordo para viabilizar uma capela mortuária para atender a população de Três Riachos”, salientou.

“Eu proponho também essa convocação”, disse Magali.

 

Salmir da Silva informa que população de São Mateus reivindica transformação de escola abandonada na região em capela mortuária. (Foto Arquivo JBFoco)