Publicidade

Parece uma MACABRA maluquice, mas existe um site norte americano, o www.outrider.org, através do qual podemos comparar qual seria a dimensão de destruição e mortes provocadas por uma BOMBA ATÔMICA caindo em qualquer cidade do mundo. Fizemos a comparação com Biguaçu.

Em 6 de agosto de 1945, os EUA jogaram a primeira bomba atômica da história sobre uma cidade japonesa chamada Hiroshima. Três dias depois, lançaram sobre Nagasaki. As duas tragédias provocaram a rendição do Japão e o fim da 2ª Guerra Mundial.

Em Hiroshima, morreram 140 mil habitantes e, em Nagasaki, 74 mil. Nem estamos falando das milhares de outras mortes que ocorreram ao longo dos dias, meses e anos depois por sequelas da radiação.

Já imaginaram se ao invés de Hiroshima e Nagasaki, as bombas fossem jogadas sobre Biguaçu?

A Outrider Foundation criou um site que simula justamente o raio de destruição em qualquer cidade do mundo. Basta acessar, digitar o nome da cidade e conferir os dados do simulador, com informações atualizadas de área atingida e número estimado de vítimas.

 

“LITTLE BOY”

 

Little Boy, a bomba de destruiu Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945. (Foto Wikipedia) 

O leitor sabe qual o nome ou apelido dado à primeira bomba atômica, aquela que destruiu Hiroshima e Nagasaki?

Era a “Little Boy”, “menininho” em português porque era uma pequena bomba em comparação às de hoje.

Por falar em comparação, a “Little Boy” é “coisa de criança” em termos de comparação com o poder de destruição das atuais bombas atômicas dos arsenais dos EUA e da Rússia.

Vamos fazer algumas simulações através do site www.outrider.org.

 

SE A BOMBA DE HIROSHIMA ATINGISSE BIGUAÇU

Se a bomba que atingiu Hiroshima tivesse atingido Biguaçu. (Foto Reprodução)

 

Se a “Little Boy” caísse exatamente no meio do bairro Vendaval, num raio de 0,1 km do estouro da bomba simplesmente sumiria tudo- casas, pessoas, carros, enfim dissolveriam. Nesta área, a temperatura seria algo como 10 mil vezes mais quente em comparação à da superfície do sol.

Num milionésio de segundo, haveria uma onda de raios X, calor e luz que se expandem enquanto esfriam. Também vaporizariam.

Num raio de dois quilômetros, entre os bairros Prado, Morro da Boa Vista, Deltaville, início de Alto Biguaçu, Prado de Baixo e centro de Biguaçu, receberiam uma bola de fogo que derrubaria qualquer edificação acompanhado de um imenso furação descomunal.

Ao contrário das áreas mais próximas ao epicentro da explosão da bomba, haveria sobreviventes nesta área de dois quilômetros, mas havia muitos feridos e bom número de mortos por causa dos escombros. Teriam queimaduras gravíssimas de 3º grau.

Num raio de quatro quilômetros, as pessoas nesta área receberiam uma carga absurda de radiação, o que as levariam à morte em poucas horas ou semanas por causa do câncer e outras doenças. Os cabelos cairiam e aumentaria os glóbulos brancos a níveis assustadores, o que provocaria infecções generalizadas.

Num raio de 6 quilômetros ou mais (isto é, já atingindo Serraria e proximidades de Barreiros, em São José), plantas, animais e o solo estariam seriamente contaminados pela radiação. Ao longo dos anos, devido ao contato e ao consumo de plantas e animais, haveria  aparecimento de grande número de casos de câncer e mutações genéticas.

Saldo: 17.269 mortes instantâneas no município de Biguaçu se a população fosse a de hoje. Feridos: 18.263.

 

AVISO

Receba gratuitamente notícias da comarca de Biguaçu em seu whatsapp. Clique no link abaixo, adicione nosso número (4898484-7539) e dê um OK.

bit.ly/WhatsJBFoco

 

BOMBA W87

 

W87. Bomba termonuclear. (Foto Wikipedia)

 

Bomba atômica em Biguaçu: esta é a simulação se a bomba fosse a W87, do exército norte-americano. (Foto Reprodução)

 

A bomba W87 teria um centro de 1km quadrado de “evaporação completa”, com 9 km de radiação imediata, destruição num raio de 18 quilômetros e onda de calor atingindo 78 quilômetros.

As mortes em Biguaçu seriam 35.114 e feridos 24.237.

 

A BOMBA DE TODAS AS BOMBAS

Já a Tsar Bomba, a destruição seria de Garopaba até Itapema. (Foto Reprodução) 

Já se for a Tsar Bomba, a maior bomba atômica criada na antiga União Soviética, todo o município de Biguaçu (todo sem exceção) iria “evaporar-se” (desaparecer) num milésimo de segundo.

Num raio de 50 quilômetros, radiação extrema. A bola de fogo atingia 70 quilômetros e impulsionaria uma onda destrutiva que atingia 555 quilômetros, isto é, o estado vizinho do Paraná. A onda de calor espalharia por incríveis 5.151 quilômetros.

Saldo da tragédia: 524.476 mortos e 365.403 feridos.

 

OBJETIVOS

Qual o objetivo desse site com tão macabra simulação? Justamente alertar a humanidade para se ter uma ideia do tamanho do perigo que é as armas nucleares.

Em 1962, durante a famosa “Crise dos Mísseis”, quase estourou uma guerra nuclear entre Estados Unidos e União Soviética. Segundo suas memórias, o líder soviético, Nikita Kruschev (1894-1971), confidenciou que o então líder de Cuba, Fidel Castro (1926-2016) sugeriu que a União Soviética fizesse um “ataque preventivo” com armas nucleares contra os EUA.

É claro que Kruschev não acatou a “brilhante sugestão”. Senão talvez nem estaríamos aqui hoje. O fato é que Kruschev ficou chocado com Fidel e sua ignorância com relação ao tamanho do perigo que representava as armas nucleares.

Ao fazer a simulação, os internautas podem ter uma ideia de que o assunto não se brinca nem em pensamento.

 

O SITE

Confira mais detalhes no seguinte site:

 

https://outrider.org/nuclear-weapons/interactive/bomb-blast/

Publicidade