Publicidade

Na semana retrasada o JBFoco publicou uma reportagem muito séria sobre a denúncia de que o atual prefeito de Biguaçu, Ramon Wollinger (PSD) acumulou duas funções públicas simultâneas (vice-prefeito e agente prisional) e teria recebido ao mesmo tempo por um período o salário dos dois cargos, o que é vedado pela legislação.

O questionamento por parte de alguns integrantes da sociedade de bem está sendo feito ao Ministério Público que pede uma investigação nesse caso para saber a verdade dos fatos.

Mas o que chama a atenção da comunidade e da imprensa é o silêncio sepulcral de Ramon. O homem não esclarece nada e fica calado sobre o assunto. O JBFoco já deixou e continua a deixar suas páginas para publicar um retorno do prefeito. Ramon: isso procede ou não prefeito? Você recebeu ao mesmo tempo o salário de agente penitenciário e vice-prefeito? Será que tem alguém de bom senso dentro da prefeitura que consegue fazer com que o prefeito Ramon responda essa pergunta e tire as dúvidas de uma vez por todas?

Atual vice-prefeito Vilson Alves (PP), conhecido por ser um homem de palavra e dos bons costumes, será que você consegue convencer o seu colega de chapa e atual mandatário da cidade a responder esse questionamento?

Isso seria um serviço de esclarecimento a sociedade de Biguaçu que precisa saber a verdade.

 

Vilson Alves: será que o vice consegue convencer Ramon a responder sobre receber salário duplo? (Foto Arquivo JBFoco)

 

DEVENDO EXPLICAÇÕES PARA A SOCIEDADE 

O prefeito Ramon teve notório crescimento em seu patrimônio pessoal em mais de 3.000 % nos últimos 15 anos. Isso é um fato. A câmara de vereadores de Biguaçu deve fazer o seu papel constitucional de fiscalizar e chamar o prefeito para esclarecimentos.

A sociedade precisa saber como aconteceu esse avanço exponencial de bens. Até porque ninguém está acusando o prefeito de nada.

Com certeza, Ramon deve ter uma explicação para tanta competência em ganhar dinheiro em tão pouco tempo.

Como homem público, o prefeito deveria aproveitar e antecipar-se a esse convite e dar as explicações a sociedade. Essa atitude seria um ato de nobreza e respeito a comunidade de Biguaçu.

 

ODEBRECHT

 

Ministro Fachin: ladrões da ODEBRECHT enriqueceram 100% em 15 anos. (Foto STF)O ministro Fachin do STF (Supremo Tribunal Federal – última instância da justiça brasileira) afirmou que todos os envolvidos em recebimento de propina na ODEBRECHT tiveram seus bens duplicados nos últimos 15 anos. Os ladrões da ODEBRECHT, segundo Fachin enriqueceram em dobro (100%) nesse período. Esse Brasil não tem jeito mesmo. É um bocado de propineiro enriquecendo enquanto o povo se lasca para poder trocar o sapato no fim do ano. Cadeia nesses farsantes.

APROVEITANDO

Muitos donos de postos de gasolina de Biguaçu aproveitaram a greve dos caminhoneiros e aumentaram o valor do combustível sem a devida necessidade. Até porque a gasolina mais cara não veio para eles ainda. Eu já anotei quem fez isso e depois nunca mais vou abastecer lá.

 

MODO DE TRABALHAR 

O jornal Biguaçu em Foco completará em agosto próximo 25 anos de circulação, 15 dos quais com periodicidade diária. É de longe, o meio de comunicação em papel com mais circulação na comarca.

De 6 meses prá cá já se tornou o meio virtual com mais acessos na sua página na internet mantendo uma média de 35 mil acessos mês.

Isso deve-se ao trabalho, credibilidade e autonomia no editorial. O JBFoco é uma realidade doa a quem doer.

Nesse período o Jornal segue uma linha de trabalho como a imprensa americana. Nos EUA, por exemplo, existe jornal que apoia os republicanos e os outros que apoiam os democratas.

Aqui em Biguaçu o JBFoco apoia quem governa bem, quem faz planejamento e não deixa faltar vagas em creches e remédios nos postos de saúde. O jornal está do lado de quem administra com seriedade e de governos cujos seus mandatários não sejam cínicos.

AGORA ENTENDI 

Recentemente esse colunista foi questionado por que de uma linha editorial dura a atual gestão.

Respondi que no ano passado, em 2017, o jornal Biguaçu em Foco foi o meio de comunicação mais parceiro da gestão que ora governa a cidade. Como o único jornal com circulação diária, o JBFoco não deixou de publicar nenhum release enviado da prefeitura municipal da cidade no jornal. Inclusive teve reportagens com chamadas e fotos na capa.

Nunca uma gestão teve em um ano tanta divulgação sem gastar um tostão. A prefeitura não pagou um real por esse trabalho, apesar do jornal gastar em gráfica, logística, salários e impostos.

O prefeito Ramon estava no seu primeiro ano de gestão após uma vitória eleitoral apertada e a administração do jornal entendia que o homem merecia um voto de confiança.

Só que passou o ano e as críticas dos assinantes, leitores e comunidade em geral começaram. O jornal ouve as pessoas e sempre foi um elo de comunicação entre a sociedade e o poder público.

Ligávamos para pegar respostas sobre os anseios do povo junto a PMB e nunca recebíamos retorno. Só faltava ser hostilizado pela irmã do prefeito, que exercia o cargo de chefe de governo, quando solicitávamos reunião para tirar dúvidas sobre questões de pauta jornalística.

O tom das críticas cresceu porque não se tinha resposta e a decadência de uma gestão que até agora não disse por que veio. Não se trata de valores publicitários, como alguns dizem (se fosse assim em 2017 o jornal não deixava de publicar matérias suas para estampar 69 releases enviados pela assessoria da prefeitura de Biguaçu sem cobrar nada por isso enaltecendo a gestão Ramon e Vilson. Foram mais de 30 capas deles). Nunca recebemos nem um obrigado por isso. Aliás, o prefeito Ramon empinou o nariz menosprezou o jornal que, no começo de sua carreira política, foi muito utilizado por ele para divulgar os seus trabalhos junto à comunidade. E deixamos muito claro sem ele gastar um tostão.

Só recebíamos retorno do seu vice-prefeito Vilson Alves que sempre nos respondeu os questionamentos e nunca fugiu das críticas da sociedade.

Mas tudo bem, isso faz parte do nosso trabalho. O JBFoco está acostumado com o rei na barriga de alguns governantes que cospem no prato que comeram. No entanto, confessamos que queríamos entender o porquê desse tratamento com o jornal desde que Ramon virou prefeito depois que então prefeito Castelo renunciou.

A resposta veio nesse mês depois que o jornal recebeu um áudio nada republicano de uma conversa de Ramon com um ex-dono de jornal em 2008. Ali ficou claro que nunca o JBFoco teria espaço com um tipo de gestor desses

Esse áudio (parece que tem outros) foi, repetimos, a resposta cristalina de que o JBFoco precisava para entender de uma vez por todas que tem governante que nunca dar-se-á bem com a imprensa livre, séria e comprometida com a verdade longe de certas “coisitas”.

 

Décio Baixo Alves
E-mail: decio@jbfoco.com.br

AVISO

Receba gratuitamente notícias da comarca de Biguaçu em seu whatsapp. Clique no link abaixo, adicione nosso número (4898484-7539) e dê um OK.

bit.ly/WhatsJBFoco

Publicidade