Publicidade

Gelson Merísio (PSD) foi de uma esperteza ímpar. Ao deparar com a “Onda Bolsonaro”, Merísio não teve dúvida: declarou voto para Bolsonaro e abandonou Geraldo Alckmin (PSDB), candidato que seu partido apoiava para presidente.

A ideia de Gelson era justamente isso: “surfar” na onda Bolsonaro. E deu certo. Ficou em primeiro lugar seguido de Comandante Moisés (PSL), justamente o candidato oficial de Jair Bolsonaro.

Deu 2º turno.

 

Gelson Merísio. (Foto Arquivo JBFoco)

 

 

Comandante Moisés, a surpresa, agora no 2º turno. (Foto Arquivo JBFoco)

 

APOIO DE BOLSONARO

Agora é ver se Jair Bolsonaro irá à TV pedir voto para o comandante Moisés derrotar Gelson Merísio (PSD), o “espertinho” que teve “feeling” para pegar a onda favorável.

 

DÁ DE CONFIAR?

O leitor lembra-se do famoso Genghis Khan (1162 d.C -1227 d.C), o imperador mongol que conquistou metade do mundo, da China até as portas da Europa?

Pois bem! No início das conquistas dele, houve uma guerra na Mongólia e Genghis lutava contra um antigo aliado.

A guerra estava próxima do fim. O exército de Genghis aniquilou seu inimigo, que não teve outra saída a não ser fugir em disparada.

Passaram-se alguns dias e eis que chegaram soldados a cavalo no acampamento de Genghis Khan. Eles traziam um macabro troféu. Era a cabeça do inimigo de Genghis. Os três soldados eram da antiga guarda pessoal do inimigo de Khan.

Pois então! O que fez Genghis diante dessa cena? Ficou feliz de ter diante de si a cabeça do seu mais odiado inimigo? Presenteou os soldados que lhe fizeram o favor de matar seu antigo adversário?

Khan ordenou que os três soldados em questão fossem executados na hora. Aturdidos, apavorados e desesperados, os soldados que traíram o antigo chefe foram decapitados diante de todos.

Em seguida, Genghis fez um discurso dizendo que aqueles homens tinham de ter sido fiéis a seu chefe até a morte. Observou que aqueles homens executados jamais deveriam ter matado o chefe, mesmo diante da derrota. Como soldados, tinham de morrer defendendo o chefe em qualquer circunstância. Tinham de ter LEALDADE acima de tudo e de todos. Tinham de ser fieis ad extremis.

 

REFLEXÃO

Mas o que isso tem a ver com Gelson Merísio, candidato a governador do estado de Santa Catarina pela coligação capitaneada pelo PSD?

Um cidadão que trai o partido pedindo voto para outro é de confiança tal como os soldados do inimigo de Genghis Khan?

 

DILMA ROUSSEFF

 

Dilma Rousseff. (Foto Arquivo JBFoco)

 

A ex-presidente Dilma Rouseff (PT), que se candidatou a senador pelo estado de Minas Gerais, se …….!!!! Bom! Seria uma piada, uma falta de vergonha na cara, um tapa no bom senso, uma verdadeira palhaçada, uma tolice etc, etc, etc se ela fosse eleita.

Afinal de contas, ela foi uma presidenta incompetente ad extremis. Deixou o país na pior recessão de todos os tempos. Sua eleição seria um deboche.

 

 

COLOMBO SE F….!!!

Colombo. (Foto Douglas Rossi) 

A Lava-Jato varreu Raimundo Colombo (PSD). Ele foi citado na delação premiada de um executivo da Odebrecht preso na Operação Lava-Jato. O cidadão afirmou com todas as letras que tinha dado dinheiro para o partido de Colombo e a “moeda de troca” seria a privatização da Casan, o que não aconteceu.

Colombo conseguiu uma vitória judicial, isto é, foi inocentado por falta de provas. Mas, para a população, ele ficou marcado com o “carimbo Operação Lava-Jato”.

Resultado: perdeu para senador ficando em quarto lugar, até mesmo atrás do candidato Lucas Esmeraldino (PSL), do partido de Jair Bolsonaro.

 

PAULO BAUER

 

Paulo Bauer. (Foto Gerdan Wesley)

 

Paulo Bauer (PSDB) também foi “atropelado” na eleição para o senador em Santa Catarina.

 

DERRETIDA COMPLETAMENTE

 

Marina Silva. (Foto ADI)

 

No início da campanha eleitoral, Marina estava com uns 20 e poucos por cento nas pesquisas eleitorais. Mas, no final, ficou em oitavo lugar com 1% da votação. A mulher foi completamente “derretida”. Não sobrou nem osso para contar a história.

 

PESQUISAS

 

Que vergonha a pesquisa do IBOPE. Na véspera da eleição, no sábado (06/10), este instituto de pesquisa dava 36% para Bolsonaro. Só “erraram” mais de 10% na votação real!

E o estranho era que nas pesquisas do IBOPE, no 2º turno, TODO MUNDO ganharia do Bolsonaro. Todo mundo!!! Que manipulação!!!

AVISO

Receba gratuitamente notícias da comarca de Biguaçu em seu whatsapp. Clique no link abaixo, adicione nosso número (4898484-7539) e dê um OK.
bit.ly/WhatsJBFoco

Publicidade