Publicidade

Ozias Alves Jr

E-mail: ozias@jbfoco.com.br

 

O nome “BRASIL” veio da língua fenícia e significa “Ferro”, defendeu um respeitadíssimo intelectual norte-americano Charles Berlitz, autor de best-seller “O Triângulo das Bermudas”. Poliglota conhecedor de 50 línguas, Berlitz apresentou sua instigante versão para a origem do nome de nosso país em seu livro “As Línguas do Mundo”(1982).

Há sérias suspeitas de que os antigos navegantes fenícios, moradores de onde hoje é Líbano, chegaram ao Brasil por volta de mil anos antes de Pedro Álvares Cabral. Várias inexplicadas inscrições em alfabeto fenício, do qual originou nossa escrita dita “latina”, aguçam a imaginação de arqueólogos. Tem até uma pedra em Santa Catarina datada de séculos antes de Cristo com inscrições perfeitas em um tipo de escrita que se assemelha ao alfabeto fenício! A foto foi estampada numa reportagem especial sobre arqueologia num suplemento de verão de um jornal daqui de Santa Catarina. Na reportagem, nenhum arqueólogo e estudioso disse que se tratava de um texto em alfabeto fenício, apesar das evidências. Se alguém disser isso acaba sendo taxado de “sensacionalista”, “intelectual não sério”, e coisas do gênero. Como poderiam aparecer no Brasil inscrições fenícias antes da chegada dos portugueses se os historiadores dizem que não?

Na elaboração de sua teoria, Charles Berlitz baseou-se na informação de que, antes de Colombo e Pedro Álvares Cabral, havia lendas entre os europeus dos séculos anteriores às Grandes Navegações a respeito de uma terra do outro lado do oceano onde havia muito ferro, o “BRZiL”.

Como em Minas Gerais, séculos depois da chegada dos portugueses, foi achada uma das maiores jazidas de ferros do planeta, Berlitz observou que os fenícios devem ter encontrado ferro no Brasil e difundido na Europa e Ásia a história da terra do “BRZiL”. Daí a origem, segundo ele, do nome “BRASIL”.

A teoria faz sentido e Charles Berlitz foi brilhante em sua teoria, mas a origem do nome Brasil certamente é bem mais simples e sem mistérios: deve-se mesmo à famosa árvore “PAU BRASIL”. Podemos avançar mais ainda.

Chamadas de “Pau Brasil” pelos portugueses, essas árvores eram conhecidas pelos índios Tupis por “Ibira Piranga” (Árvore Vermelha). Do tronco dessa árvore, extraía-se uma tinta vermelha usada para tintura de roupas. O nome “Pau Brasil” vem de “Pau em estado BRASIL”, i.e. “em estado de BRASA”, uma frase permitida no português arcaico. O fogo ardendo em brasa não tem uma coloração avermelhada em seu centro? Daí a alusão do nome. Não tem nada a ver com “BRZiL” (ferro), como defendeu Berlitz.

A teoria de Berlitz só teria sentido se houvesse algum mapa ou documento anterior aos tempos das Grande Navegações (1492) com o traçado do continente americano e referência ao nome “Brasil” ou algo similar. Aí, como diz o Ratinho, “a cobra vai fumar!”. Se houver tais documentos preciosos, será algo tão surpreendente como provar que os fenícios estiveram realmente no Brasil séculos antes mesmo do nascimento de Cristo.

 

 

Mapa turco séculos antes de Cristóvão Colombo mostra a costa do Brasil. Como isso foi possível se o Brasil não havia sido descoberto. (Foto Google Images)

 

Teoria de que os fenícios teriam estado no Brasil três mil anos antes de Cristóvão Colombo. (Foto Google Images)

 

https://chat.whatsapp.com/DzUCpmYip17KFtkEeyNpaD

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio carlos, Governador Celso Ramos e região.

 

Publicidade