Publicidade

BOM DIA

Joziane Rodrigues. (Foto Divulgação)

 

Nosso bom dia desta sexta-feira, vai para à amiga Joziane Rodrigues. Graduada em Biblioteconomia pela UFSC, e com espírito empreendedor, criou a JZN Assessoria Virtual, que da suporte a profissionais liberais, e empresas na organização de suas agendas e serviços eletrônicos. Amante de uma boa leitura, e da cozinha Joziane é gente que faz, e faz para dar certo. Deixo aqui meu carinho e desejo de sucesso sempre na sua vida. Contatos com a profissional pelo fone: (48) 98868-6285.

IACC

O 2º IACC debateu amplamente a Segurança Pública no Brasil e contou com a participação de especialistas e autoridades, como o Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e o secretário Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça, Guilherme Theophilo 

São Paulo sediou, nos dias 26 e 27 de novembro, a 2ª edição do IACC – Fórum Nacional da Inteligência Aplicada para o Combate à Criminalidade, iniciativa das entidades de Polícia Judiciária: ADPESP, ADPF/SP, SINDPF/SP e do SINDPESP. Os dois dias do Fórum foram marcados pelo amplo debate da segurança pública no Brasil, exposição de tecnologia para o combate ao crime, por meio da participação de empresas internacionais que são referência no segmento, além do lançamento do Movimento Mulheres na Segurança Pública, iniciativa das entidades organizadoras do evento. O IACC contou também com a participação de delegados de Polícia Civil e Federal, especialistas e autoridades, como o Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e o secretário Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça, Guilherme Theophilo.

Em seu discurso, durante a abertura do IACC, o presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (ADPESP), Gustavo Mesquita Galvão Bueno, destacou a presença feminina no evento e que, mais do que nunca, iniciativas como o Fórum são fundamentais para a sociedade, no sentido de debater segurança pública de maneira responsável, séria e técnica. “No atual momento do país, a segurança pública assume definitivamente o papel central da preocupação e das reinvindicações da sociedade. E é preocupante que isso se torne também terreno fértil para o surgimento de soluções desconectadas e baseadas na truculência, pois precisamos combater o crime com técnica e inteligência e, ainda, investir nos profissionais do setor e em tecnologia. Ressalto, ainda, que o IACC cumpriu o seu papel e debateu com profundidade esse tema fundamental para o país, se consolidando como um espaço de diálogo qualificadodo setor”, disse.

Um dos destaques do IACC 2019 foi o lançamento do Movimento Mulheres na Segurança Pública, marcando a abertura do segundo dia do evento. O Movimento é voltado para aumentar a participação e engajamento da mulher nas iniciativas de segurança e liderado pelas delegadas: Tania Prado, presidente do SINDPF/SP e diretora regional da ADPF/SP; Jacqueline Valadares, titular da 2ª Delegacia de Defesa da Mulher, na capital paulista, e diretora de Comunicação Social da ADPESP; e Raquel Kobashi Gallinati, presidente do SINDPESP.

Para a Raquel Kobashi Gallinati, além do lançamento do Movimento voltado para as mulheres com atuação na segurança, a edição 2019 do Fórum também abordou violência de gênero, tema atual e com dados preocupantes, onde o Brasil ocupa a 5ª posição mundial em feminicídio, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) . “A presença da mulher é fundamental em todas as etapas do trabalho de Segurança Pública. Do atendimento da Polícia Civil, passando pelo registro e investigação pelas delegacias, até a conclusão do caso no Poder Judiciário. Além da participação feminina no atendimento a toda a população, é preciso que as mulheres vítimas de violência sejam acolhidas e se sintam seguras para fazer a denúncia. Nesse contexto, a presença e o protagonismo das mulheres nesse setor são fundamentais. E o Movimento Mulheres na Segurança Pública reúne um conjunto de ações com o objetivo de promover mudanças na sociedade de uma forma mais ampla”, avalia a presidente do SINDPESP.

A presidente do SINDPF/SP e diretora regional da ADPF/SP, Tania Prado, cita que a tecnologia no enfrentamento ao crime é o mote do evento e que, nesta edição, apresentou cases em todos os segmentos, desde a atuação da inteligência nos cibercrimes, que envolvem lavagem de dinheiro e altos valores financeiros, aos crimes contra a mulher, também nos meios digitais, e que o lançamento nacional do Movimento trouxe ainda mais notoriedade para o tema e atuação da mulher na segurança. “No último curso de formação do concurso de Delegado da PF, as mulheres que ingressaram na carreira representam apenas 13,55% do total. Recentemente as Delegadas passaram a ser nomeadas para os cargos de superintendentes estaduais, contudo a Direção-Geral da PF e a maior Superintendência, São Paulo, nunca estiveram sob comando feminino. O Movimento vem ao encontro do aumento da participação e no reconhecimento do trabalho desempenhado pelas mulheres na segurança pública e em todos os segmentos da sociedade”.

Já para a delegada Jacqueline Valadares, a violência sofrida pelas mulheres e a submissão a que estão sujeitas é fruto de uma cultura machista e discriminatória, cujo fundamento é cultural e decorre da desigualdade no exercício do poder e que leva a uma relação de dominante e dominado. “Outros fatores também colaboram para violência de gênero como, por exemplo, as diferenças sociais, econômicas e políticas entre homens e mulheres, além da diferenciação de papéis na sociedade. Com a evolução da sociedade e a inserção da mulher no mercado de trabalho, iniciou-se um processo de libertação feminina que, de maneira gradativa, e após muita luta, culminou com a assunção de papéis de destaque pela mulher no âmbito da Segurança Pública, mas ainda em patamar de desigualdade em relação aos homens. E o Movimento Mulheres na Segurança vai permitir maior participação feminina nesse setor”, enfatiza.

Destaques da programação

Entre os temas destacados na programação, o evento abordou: desafios da polícia judiciária e o seu papel na segurança pública; desafios para o enfrentamento da corrupção; crimes cibernéticos; organizações criminosas; lei orgânica e Constituição Federal; segurança pública como direito humano fundamental, que abordou violência de gênero e as formas para o enfrentamento, principalmente nos meios digitais; entre outras assuntos com importância fundamental no contexto da segurança pública.

Especialistas em Segurança Pública presentes no Fórum IACC 2019

Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel; secretário Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça, Guilherme TheophiloGabriela Manssur, Promotora de Justiça – Estado de São Paulo; Mafoane Odara, gerente do Instituto Avon; Edvandir Felix de Paiva, presidente da ADPFRafael de Sá Sampaio, presidente da ADPJ; Felippe Angeli, coordenador do Instituto Sou da Paz; Ivana David, desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo; delegado do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (DIPOL), Francisco Petrarca Ielo Neto; Luiz Augusto Filizzola D’Urso, advogado especialista em Cibercrimes e presidente da Comissão Nacional de Estudos dos Cibercrimes da Associação Brasileira dos Advogados; Higor Vinícius Nogueira Jorge, delegado de Polícia, membro da Associação Internacional de Investigação de Crimes de Alta Tecnologia (HTCIA), palestrante e autor da coleção “Investigação Criminal Tecnológica”; Eliana Passarelli, procuradora de Justiça do Estado de São Paulo; entre outras autoridades e especialistas.

Expo Forensics

Paralelamente ao IACC, ocorreu a Expo Forensics, espaço promovido pela TechBiz Forense Digital, em parceria com a Sator- organizadora do evento, que apresentou as novas tecnologias com foco no combate à criminalidade. A exposição apresentou novidades para soluções de investigação em meios digitais e tecnologias com foco no apoio e a melhoria da segurança, com o objetivo de agilizar e tornar mais eficiente as investigações no Brasil.

 

CANALHADA

 

Do Congresso Nacional, quer porque quer o aumento do fundo eleitoral. Ao mesmo tempo o capo que preside o Senado, dificulta a votação da prisão em 2ª instância.

 

RUA

 

 

13 de maio aqui em Biguaçu, está sendo recuperada.. A rua corta os bairros Prado e Saudade. A população só tem que fiscalizar o valor da obra, orçada em aproximadamente R$ 6 milhões.

 

HOJE

É a 1ª Sexta-Feira do mês dedicada ao SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS. Lembrando que o Apostolado da Oração completou 175 anos de fundação neste planeta.

 

MINISTÉRIO DA CIDADANIA

 

 

Conselho discute racismo no Sistema Único de Assistência Social

LOC: Criar estratégias para reforçar o combate ao racismo institucional no Sistema Único de Assistência Social. Essa foi uma das principais pautas da Reunião do C-N-A-S – Conselho Nacional de Assistência Social-, realizada nesta quarta-feira, em Brasília. Dados do Ministério da Cidadania apontam que mais de SETENTA E CINCO por cento dos usuários da política de assistência social são negros. Segundo a secretária Nacional de Assistência Social, Mariana Neris, a discussão se faz necessária para que os serviços sejam aprimorados e os usuários tenham seus direitos garantidos.

ermo racismo institucional é definido como uma falha de uma organização — pública ou privada — em oferecer um serviço adequado às pessoas por causa da cor, cultura ou origem étnica. Ele também coloca as pessoas ou grupos raciais em situação de desvantagem no acesso a benefícios e a políticas. Por isso, para a presidente do C-N-A-S, Aldenora Gonzales, combater esse cenário no Sistema Único de Assistência Social é uma medida urgente, a fim de criar uma identidade e autonomia dos beneficiários da política.  A representante do Conselho Federal de Psicologia, Célia Zenaide da Silva, palestrou sobre o tema. De acordo com ela, o debate tem de ser permanente.

O tema racismo institucional é abordado também em campanhas do Ministério da Cidadania, a exemplo da mais recente, intitulada – Suas sem Racismo, que tem o objetivo de conscientizar profissionais e gestores da rede de proteção social sobre o assunto.

 

 

 

DICA

Para esta sexta-feira. Beber menos viver mais. São várias as opções, mas preserve a sua vida em primeiro lugar. E amanhã sábado tem Samba Pop com Iza e Diogo Nogueira. a partir das 14h no P12.

 

AQUI 

 

Em Biguaçu, nosso presidente Jair Bolsonaro, tem 62,3%  de aprovação e o governador Moisés 67,7%. Gostaria de saber o índice de rejeição ao atual prefeito aqui da cidade.

 

FRASE

 

” O sofrimento é o preço que pagamos pelo amor.” Rainha Elizabeth.

 

LEITURA

 

A LIGA EXTRAORDINÁRIA  –  Alan Moore. Alan Moore, um homem exótico que nasceu em 1953, é tido como um dos escritores de histórias em quadrinhos mais venerados e influentes até hoje. Alan começou a ganhar fama nos anos 1980, com histórias que redefiniram as expectativas dos quadrinhos e foram publicadas na revista britânica Warrior. Anos mais tarde, o autor ficou conhecido no mercado norte-americano quando se tornou roteirista da série Monstro do Pântano (Swamp Thing). Moore é responsável por dezenas de obras marcantes que são de leitura obrigatória para qualquer fã de quadrinhos. A obra do autor, que serviu de base para diversos filmes de Hollywood, como Do Inferno (From Hell), A Liga Extraordinária (The League of Extraordinary Gentlemen), V de Vingança (V for Vendetta) e Watchmen (Watchmen), é tão bem reconhecida que ele é citado como um dos mais importantes de todos os tempos.

 

ABRAÇOS

Coluna Opinião Formada – Walter Lemos Filho – E-mail: walterlemos1961@gmail.com

 

Jornais em Foco – Quinta-feira (05/12/2019)

Publicidade