Publicidade

No entanto, o questionamento do jornal continua: independente de qual “Carol”, foi realizada investigação com a denúncia de Anderson sobre o caso dos “horímetros”?

 

Na edição de terça (31/03/2020), publicamos a reportagem de capa intitulada “Afinal de contas, Karol Wollinger, você investigou ou jogou a sujeira para debaixo do tapete no caso do horímetro?”

Na realidade, foi cometido um equívoco por este jornal. A “Carol” que teria recebido a denúncia de supostas irregularidades na Patrulha Agrícola Municipal de Biguaçu NÃO foi Karol Wollinger, a irmã do prefeito Ramon Wollinger que ocupa a “secretaria de governo”, mas sim “Carolina Momm”, controladora geral do município.

A reportagem do JBFoco conseguiu o fone de “Carol, a controladora” e qual foi nossa surpresa? Ela escreveu: “você conseguiu meu número particular onde?”

Ou seja, ao invés de prestar esclarecimentos já que se trata de uma autoridade pública paga com o dinheiro de nossos impostos para investigar denúncias com relação a irregularidades sobre o patrimônio público municipal, questionou-nos a “ousadia” de termos conseguido o fone dela para perguntar-lhe se alguma providência foi tomada com relação à denúncia dos “horímetros” feita por Anderson Rodrigues de Faria, ex-gerente administrativo da secretaria municipal de agricultura.

 

DENÚNCIA

Segundo nossa edição da última sexta-feira (27/03/2020), Anderson denunciou que os horímetros (aparelho que marca a hora de trabalho das máquinas da Patrulha Agrícola Municipal) eram deligados para, segundo ele, camuflar o uso indevido das mesmas em serviços em terrenos particulares de cidadãos que não são agricultores, conforme exige a lei.

Anderson contou que fez a denúncia e que “Carol” não teria dado o devido retorno para o esclarecimento dos fatos, isto é, se abriu ou não uma investigação para apurar os fatos.

Acabamos citando Karol Wollinger como a autoridade da prefeitura de Biguaçu como a que teria procurado Anderson porque o vereador João Domingos Zimmermann (Nino) a citou, o que nos confundiu, porém não se trata dela, deixemos isso bem claro.

Ou seja, eis a razão da confusão de nomes.

 

E A DENÚNCIA?

Apesar do equívoco, nada altera a questão. “A ordem das Carol/Karol não altera o questionamento”. O fato é que Anderson fez uma denúncia para a “Carol Momm” e a prefeitura de Biguaçu não informou se houve ou não a abertura da investigação.

Porém, reina um silêncio sepulcral na prefeitura: primeiro para dizer quem é a Carol citada por Anderson e agora em responder se houve ou não investigação.

Vale lembrar que o prefeito Ramon simplesmente não responde qualquer pergunta do JBFoco.

Para quem não se lembra, não faz muito tempo que a bancada do MDB da Câmara de Biguaçu tentou convocá-lo para uma audiência na instituição para que respondesse questionamentos sobre obras públicas e investimentos não esclarecidos e o que aconteceu? A bancada de apoio do prefeito simplesmente não aprovou a convocação.

Há uma série de questionamentos importantes, mas o prefeito simplesmente ignora. Simplesmente não responde.

 

MENSAGEM

Nosso colunista Décio Baixo Alves mandou a seguinte mensagem para o whatsapp de “Carol Momm”, a controladora.

Esta foi a mensagem enviada por Décio: “Aqui é o Décio do jornais em Foco. Abaixo uma reportagem de uma denúncia de um ex-servidor. Nessa reportagem o denunciante cita a sra como pessoa que recebeu uma denúncia dele no caso de desligar o horímetro.

Pediria por gentileza que a sra lesse a reportagem e depois nos retornasse. Gostaríamos de saber se foi feita alguma investigação na PMB (Prefeitura Municipal de Biguaçu) sobre a denúncia de Anderson, que segundo ele, foi feito pra você a respeito de desligarem o horímentro das patrulhas agrícolas. Qualquer dúvida fico a disposição.”

Carol Momm assim escreveu às 10h46 da manhã de terça, 31/03/2020, conforme o registro do whatsapp: “Você conseguiu meu número particular onde?

Carol não respondeu mais nada. Ficou apenas no questionamento de saber “quem” deu o número de seu telefone para o jornal.

Ou seja, pelo que subentendemos, pelo jeito, a denúncia dos horímetros não será investigada e o caso agora vai ser da câmara de Biguaçu, ou seja, só haverá, pelo jeito, os devidos esclarecimentos se for aberta uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para chamar as partes e esclarecer o que está acontecendo.

 

Denúncia não foi feita à Karol, irmã do prefeito, mas Carol da procuradoria. (Foto Divulgação)
Anderson Faria disse que denunciou à Karol o caso do Horímetro mas não viu nada acontecer. (Foto Arquivo JBFoco)

 

ANUNCIAR NOS JORNAIS EM FOCO É A CERTEZA DE ATINGIR O SEU ALVO

Publicidade