Publicidade

 

Décio Baixo Alves

E-mail: decio@jbfoco.com.br

 

TUDO JAPONÊS

As próximas eleições municipais em Biguaçu será uma disputa “japonesa”, ou seja, todos vão disputar em iguais condições. Todo mundo tem olhinho puxado, não vai ter “bam, bam, bam”. O eleitorado, diante de tanta corrupção divulgada na televisão, vai querer eleger um candidato com perfil diferente e que não represente a velha política. Vão ser avaliadas a capacitação e preparação do indivíduo que almeje eleger-se como prefeito da cidade em 2020.

O prefeito Ramon (PSD) não poderá ir para a reeleição, o ex-prefeito Castelo (PP) já renunciou no seu segundo mandato e só trabalha nos bastidores para impedir com que o PMDB volte ao poder.

Na oposição tem o Tuta (PMDB) que hoje está inelegível e com duas derrotas consecutivas nos pleitos anteriores.

Logo não existe hoje nome que desponte, todos estão no mesmo nível.

 

POSSÍVEIS NOMES

O PP do ex-prefeito Castelo, que tem três vereadores hoje, ficará com apenas dois no ano que vem. É que Douglas Borba ingressará no ninho tucano em 2018.

O vice-prefeito Vilson Alves, que é da sigla, está trabalhando a todo vapor para ser o nome da situação como candidato a prefeito no próximo pleito municipal. O grande desafio dele é manter justamente essa base e homologar o seu nome em 2020. O problema é que justamente seu correligionário Douglas Borba, futuro PSDB e outros aliados como Marconi Kirch (DEM) e Ângelo Vieira (PSD) também já disseram que querem ser candidatos na majoritária e estão lutando por espaço.

Manusear esse xadrez político não vai ser fácil. No PMDB tem o ex-vereador André Clementino que dependerá muito do cenário estadual para se lançar candidato em 2020.

 

PSDB

O PSDB de Biguaçu está se organizando, inclusive ontem (terça, 15/08) dediquei algumas notas nessa coluna sobre isso. Eles querem lançar candidato a prefeito e conforme for, já entenderam que a sigla poderá ir para qualquer lado inclusive com o apoio do PMDB em 2020.

Eles entendem que para onde o PSDB pender, os tucanos serão governo no ano que vem e terão mais força para apoiar  sua base para as eleições municipais.

O ex-presidente do PP, Matheus Hoffmann é hoje o presidente do PSDB municipal e já está colocando o tapete para a vinda de Douglas Borba.

 

ORGANIZADOS

Todo mundo sabe que a organização dos progressistas antes devia-se muito pelo trabalho de Matheus e Douglas. As eleições vitoriosas do PP tiveram por trás muita articulação e competência por parte do grupo que comandava a sigla antes.

A pergunta é: quem vai fazer isso agora no partido progressista? Nem reunião eles tiveram nesse semestre?

O PP passou de prefeito (Castelo) para vice hoje (Vilson) e de 5 vereadores eleitos em 2012, passou a ter 3 em 2016 sendo que um sairá.

Será que eles estão em decadência e sem direção? Essa resposta só o futuro dirá até porque não se pode subestimar o poder econômico.

 

André Clementino: nome do PMDB para disputar a prefeitura no próximo pleito. (Foto Arquivo JBFoco)

Castelo: bastidores para que o PMDB não volte ao poder. (Foto Arquivo JBFoco)
Douglas Borba: quer ser candidato a prefeito possivelmente pelo PSDB. (Foto Arquivo JBFoco)
Matheus Hoffmann: ex-presidente do PP e atual presidente do PSDB. (Foto Arquivo JBFoco)
Ângelo Ramos: quer ser candidato a prefeito. (Foto Arquivo JBFoco)
Marconi Kirch: pretende estar na majoritária em 2020. (Foto Arquivo JBFoco)
Publicidade