Publicidade

 

 

Jean Carlo de Souza, 43, dono da loja Art& Design Móveis Dimare, do centro de Biguaçu e fabricante de cervejas artesanais por hobby, acaba de ganhar a “Menção Honrosa” no VI Concurso Estadual de Cervejas Caseiras, concurso este realizado em Florianópolis.

Entre 400 cervejas inscritas, a de Jean Carlo recebeu a menção “Ouro” da categoria Pilsen e Pale Lager.

Aqui um pouco da história de Jean e de sua cerveja. Tudo começou por curiosidade e o hobby está virando negócio.

De dia, Jean vende móveis na já mencionada loja da Art&Design Móveis Dimare, do centro de Biguaçu. De noite, ele produz cervejas artesanais e fazendo mil e uma experiências para descobrir novos sabores e amores da famosa bebida.

“Eu já gostava da danada da cerveja, mas tudo começou faz dois anos quando eu importava panelas de inox. Vendo até hoje essas panelas para o mercado de restaurantes e hotelaria. O que me surpreendeu foi a grande procura por cervejeiros caseiros. Na Grande Florianópolis, há vários produtores artesanais dessa cerveja. Resolvi aprender a fazer cerveja”, conta Jean.

“Através de um amigo em comum, vim a conhecer Guilherme Buchmann, que vem a ser professor de gastronomia da Unisul de Palhoça. Eu soube que ele fabricava cerveja. Pedi para acompanhar uma brassagem (produção). Ele prontamente convidou-me para visitá-lo. Assisti, participei e eu me apaixonei por esse hobby”, relata Jean.

“Comecei experimentando, às vezes errando, preparando, tomando literalmente as minhas experiências e o mais importante: eu estudo o assunto lendo tudo que é literatura técnica da produção dessa bebida. De experimento em experimento, acabei fabricando 30 estilos de cervejas, das quais, das melhores, criei nove rótulos”, enumera o cervejeiro.

 

ESTILOS

“Faço cervejas de vários estilos. Faço a cerveja de trigo “Weissbier” (tradução: cerveja branca em alemão), a American Pale, a IPA, Witbier, Blond Ale, Session IPA, Stout, entre vários. Tem cerveja tradicional Pilsen como também outras fabricadas com adjuntos como laranja, coentro, pimenta rosa, hibrisco, frutas vermelhas, morango, limão siciliano, entre outros. Em breve, pretendo fazer uma cerveja de coco queimado. O importante é criar e ver e degustar o resultado”, conta.

 

CERVEJA DO MANEZINHO

Jean é natural de Florianópolis e veio parar em Biguaçu porque casou com uma biguaçuense, Suely Cunha, 33, com a qual tem dois filhos.

“Numa das minhas experiências, fiz uma cerveja de trigo que ficou muito boa. Resolvi criar um rótulo e chamar essa cerveja de “Biernuncia”, junção de “bier” com “bernunça”. Resolvei homenager minha cidade natal Florianópolis e o folclore local, onde há a história da Bernunça, que muito contada no Ribeirão da Ilha, onde volta e meia visito. E assim surgiu a cerveja do manezinho da ilha”, conta.

“Em 2018, deveremos conseguir a liberação e começar a fabricação comercial dessa marca”, informa Jean.

 

PRÊMIOS

Em 2016, Jean ganhou a medalha de prata no concurso estadual de cervejeiros caseiros em Joinville. “Eu competi no estilo “American Pale Ale”, da qual pessoalmente eu gosto muito. É uma cerveja aromática, de saber marcante, de lúpulos críticos”, conta.

“Neste ano de 2017, fui classificado no concurso “Mestre Cervejeiro Eisenbahn”, que está sendo realizado em São Paulo. Será um reality show de cervejeiros caseiros, ocasião na qual apenas nove estarão escolhidos para participar desse reality. Estou competindo”, observa.

 

FUTURO

Em 2018, saindo o registro da sua “Cerveja do Manezinho”, a “Biernuncia”, cujo logotipo foi criado por Jean, o cervejeiro caseiro pretende fundar uma microcervejaria em Biguaçu.

“Num primeiro momento, nem quero montar um pub. Apenas será um local onde as cervejas serão fabricadas para distribuição nos mercados”, observa.

“Atualmente há apenas 300 micro cervejarias no Brasil, o que corresponde a 0,15% de todo o mercado nacional dessa bebida. Não quero falar mal das cervejas tradicionais, industrias, com grande mídia na televisão, mas o fato é o seguinte: quem experimenta cerveja artesanal, não consegue mais beber uma cerveja comercial como antes porque a artesanal é mais saborosa. Não tem conservantes, tem mais aromas, variedade, sabores e a cerveja industrial em larga escala não consegue oferecer tantos aromas e sabores”, finaliza.

 

CERVEJA

Quem quiser experimentar e conhecer a fábrica artesanal de Jean, entre em contato pelo fone (48) 9-9164-7827. Marque uma visita.

 

 

 

Menção Honrosa que a cerveja artesanal fabricada por Jean conseguiu no Concurso. (Foto Divulgação)

 

Menção honrosa ganha por Jean. (Foto Divulgação)

 

Publicidade