Publicidade

Na secretaria municipal de trânsito da Prefeitura de Biguaçu, trabalha Altair Machado Jr, 39, conhecido como “Duny do Banjo”.

Natural do Morro da Copa Lord, do centro de Florianópolis, Altair, que trabalha há nove anos como funcionário da prefeitura de Biguaçu, é conhecido como um sambista mais talentosos do samba amador da Grande Florianópolis. Sua  “marca registrada” é o banjo, um instrumento musical de um timbre especial e de complexa execução. Toca tão bem que o nome do instrumento literalmente incorporou-se a seu apelido de infância.

Se a prefeitura de Biguaçu quiser implantar aulas gratuitas de banjo na sua escola municipal de música, eis Duny no pedaço para oferecer tal curso para crianças. Vale lembrar que o músico já fez alguns projetos sociais de ensino de música a crianças e adolescentes em Florianópolis, principalmente no Monte Serrat.

“Eu realmente tenho interesse de dar aulas de banjo aqui em Biguaçu. A música é um poderoso instrumento para ajudar a tirar da ociosidade crianças e adolescentes das comunidades carentes. Estou à disposição da secretaria de educação e cultura para implantar esse projeto”, observa.

 

MÚSICA

Se um dia alguém escrever a “História do Samba da Grande Florianópolis” e disponibilizar um dicionário biográfico, Duny do Banjo certamente ocupará bom pedaço dessa obra tamanha é sua biografia na música popular amadora da região.

A primeira banda de Duny foi o “Menores do Samba”, entre 1995 a 1998. Em seguida, foram várias bandas e participações especiais, sempre com seu banjo. Foram tantos projetos que a memória entrou em colapso.

A primeira música composta por Duny, a Canto de Bar”, acabou indo para a Áustria, segundo foi informado. Duny ignora se essa sua canção veio a ser gravada e por quem.

Duny poderia tocar violão ou outro instrumento, mas preferiu o banjo. “Sou fã do sambista carioca Arlindo Cruz, que toca banjo. Esta foi minha influência”, conta Altair.

Entre o cavaquinho e o banjo, Duny prefere o segundo por causa do som mais grave e o toque especial que dá ao samba. Aliás, ele também adora cavaquinho, mas focou no banjo porque entende que música é algo coletivo, democrático e cada um, seja no seu violão, no reco-reco, na percussão, no cavaquinho, no trompete, enfim, em vários instrumentos, todos unidos dão sua contribuição para o conjunto da música, sem esquecer as passistas.

 

PROJETO

Secretária Municipal de Educação e Cultura de Biguaçu, Kátia Bichels. Que tal ligar para o Duny do Banjo com o objetivo de marcar um encontro durante o qual pode-se combinar um projeto de aulas de banjo para crianças de Biguaçu na escola de música?

Pense nessa ideia. O telefone de Duny é (48) 9-8400-1115.

 

Duny do Banjo compondo. (Foto Divulgação)

 

 

Bloco Pintos da Madrugada. (Foto Divulgação)

 

 

Carnaval do Pastinho. (Foto Divulgação)

 

 

Com Neném Maravilha. (Foto Divulgação)

 

 

Com o primo Gerson, com quem aprendeu a tocar. (Foto Divulgação)

 

Família. (Foto Divulgação)

Família do artista. (Foto Divulgação)  

No intervalo de uma roda de samba, programa preferido do artista. (Foto Divulgação)

  

Altair pretende voltar a dar aulas de banjo a crianças e adolescentes. (Foto Divulgação)

 

 

Velha guarda da Copa Lord. (Foto Divulgação)

 

 

Velha Guarda da Copa Lord. (Foto Divulgação)
Publicidade