Publicidade

“O acordo foi bom para ambas as partes”. Com essas palavras, o presidente da Câmara Municipal de Biguaçu que assumirá o cago no próximo dia 2 de janeiro, Marconi Kirch, opinou a respeito do acordo fechado pelo presidente da Câmara cujo mandato está encerrando, Ângelo Vieira (PSD), com o prefeito Ramon Wollinger (PSD).

A câmara de Biguaçu começou há sete anos a construir uma nova sede, na rua São José, no centro de Biguaçu. A obra arrastou-se e não foi concluída virando um literal “Elefante Branco”. Quatro presidentes de Câmara passaram e nada da conclusão da obra.

Ângelo assumiu o cargo de presidente da Câmara em janeiro de 2017 prometendo uma solução para o impasse. Sentou-se com o prefeito Ramon Wollinger e no final houve o acordo: o prédio inacabado irá para a prefeitura que pretende instalar lá várias secretarias, muitas das quais hoje estão em imóveis alugados.

Em troca, a prefeitura doará a sede do Centro Cultural David Crispim Corrêa, onde hoje fica a sede da Secretaria Municipal de Educação e a biblioteca pública, na rua Hermógenes Prazeres, no centro de Biguaçu.

Para Marconi, a troca foi boa e atende as necessidades da prefeitura, que precisa de um edifício amplo para abrigar suas secretarias, como também a Câmara, que precisa sair do aluguel. Para Kirch, o imóvel da rua Hermógenes Prazeres é ideal para a Câmara.

Kirch parabeniza Ângelo pelo acordo.

 

METAS

Sobre suas metas quando assumir o cargo a partir de 2 de janeiro, Marconi observou: “Não gosto de me antecipar. Em primeiro lugar, preciso sentar na cadeira de presidente da Câmara e verificar como está a casa. Com essas informações, poderei planejar as metas. Temo dizer uma coisa e, quando assumir, ver que a coisa não é possível por esse ou aquele motivo. Então essa pergunta será respondida na primeira quinzena de janeiro de 2018”, obsevou Marconi.

Na realidade, ele está com razão. Primeiro estar a par da situação para depois definir as metas.

 

ELOGIOS

Marconi elogia o prefeito Ramon Wollinger (PSD) que conseguiu um superávit nas contas públicas de 2017 da prefeitura de Biguaçu.

“A prefeitura aprendeu a viver com o dinheiro que tem. Isso é bom. A administração pública tem de ter contas certas, não pode gastar mais do que arrecada e tem de oferecer educação e saúde de qualidade para a população, de onde vêm os impostos. Eu parabenizo Ramon porque ele e sua equipe arrumaram a casa e isso é bom muito. O que adianta fazer obras, mas deixar dívidas? Não foi o caso de Ramon. Ele fez obras, não deixou dívidas e, ainda por cima, teve superávit. Só tenho a parabenizar”, observa.

 

2018

Marconi pretende candidatar-se a deputado estadual na eleição de outubro de 2018.

 

Sede não concluída da Câmara de Biguaçu
Sede não concluída da Câmara de Vereadores de Biguaçu. Agora será da prefeitura, que transformará em nova sede administrativa. (Foto Divulgação)
Publicidade