Publicidade

Recebemos ligação da sra. Maria Eduarda, que reclama do ponto de ônibus da rua Getúlio Vargas, no centro de Biguaçu, ao lado da agência do Banco do Brasil e próximo à praça Nereu Ramos.

Ela conta que na manhã de hoje (segunda, 15/01), quando foi pegar ônibus nesse ponto para ir ao trabalho, literalmente passou mal devido ao forte cheiro de urina. Tudo indica que andarilhos estiveram abrigados ali e fizeram suas necessidades fisiológicas no local.

Aí vem outra discussão. Em Biguaçu, não há casa de abrigo para moradores de rua. Por outro lado, a prefeitura não pode, por força da legislação dos Direitos Humanos, de simplesmente pegar os mendigos, colocá-los num ônibus e mandá-los para outra cidade (se bem que tem cidade que faz justamente isso: manda seus mendigos para a Grande Florianópolis e que Biguaçu, São José, Palhoça e a capital que “se lixem” para lidar com o transtorno).

O que fazer? Acho que ninguém é contra a prefeitura criar um desses abrigos com número suficiente para atender esses moradores de rua. É claro que o problema é dinheiro, mas, enquanto o problema for empurrado com a barriga, como a prefeitura de Biguaçu tem feito ao longo dos últimos anos (o problema não vem de hoje), teremos justamente isso: mendigos transformando pontos de ônibus em latrinas.

O leitor lembra-se do ponto de ônibus que havia na esquina entre as ruas 7 de Setembro e Francisco Petry, do centro de Biguaçu?

Anos atrás, o JBFoco publicou várias matérias comentando que o ponto de ônibus que ali encontrava-se havia transformado-se numa “patente”, pois os moradores de rua usavam o local como “banheiro público” ao ar livre.

Pois bem!  De tanta reclamação, a prefeitura retirou o ponto de ônibus em questão e nunca mais colocou outro. Ou seja, para expulsar os mendigos, deixou os usuários do transporte coletivo sem abrigo no local.  É como resolver um problema criando outro.

E voltando ao caso do ponto de ônibus da rua Getúlio Vargas, centro de Biguaçu, a citada leitor Maria Eduarda telefonou para a prefeitura reclamando do cheiro de urina. Pediu providências.

Esperamos que amanhã (terça, 16/01), na quarta (17/01) ou na quinta (18/01), o JBFoco não precise de publicar esta mesma matéria.

Publicidade