Recebi da assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Biguaçu uma matéria intitulada “Balanço comercial biguauçense registra resultado positivo em 2017- Município destaca-se na exportação de produtos derivados de plásticos e vidros”.

Começa a matéria assim:Dados referentes ao período compreendido entre janeiro e dezembro do ano de 2017, pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços apontam que a balança comercial de Biguaçu, registrou um superávit de US$ 6,61 milhões, isso significa que nesse período as vendas de produtos do município superaram o valor da compra de produtos importados. O saldo positivo é resultado de US$ 10,67 milhões em exportações e US$ 4,06 milhões em importações.”

Prossegue a matéria: “Os Estados Unidos são o principal destino das exportações das empresas biguaçuenses, com cerca de 50%. Depois aparecem Chile, Argentina, Vietnã, Taiwan, Uruguai, Suíça, Colômbia, Cingapura, Panamá e Sri Lanka.”

E finaliza assim: “Entre os principais produtos exportados estão artigos e produtos de plásticos; farinhas, pó e pellets, de carnes, miudezas, peixes ou crustáceos, moluscos ou outros invertebrados aquáticos, impróprios para a alimentação humana; espelhos de vidro, mesmo emoldurados, incluídos os espelhos retrovisores; outras chapas, folhas, películas, tiras e lâminas de plástico não alveolar entre outros.”

AVALIAÇÃO

Não entendi a razão da assessoria de imprensa da prefeitura de Biguaçu de publicar essa matéria uma vez que todos os méritos do sucesso devem-se única e exclusivamente às empresas.

Quando a prefeitura destaca essa matéria em seu site oficial, o objetivo é bem claro: dar a entender à população que o destaque do grande “desempenho” das empresas de plástico sediadas em Biguaçu deve-se “também” ao trabalho da prefeitura.

Mas que trabalho? O que fez? Nada, absolutamente nada. Aliás, nem deve fazer mesmo porque em tudo que o Poder Público bota a mão, é aumentar imposto, criar dificuldades, alegar que está devendo algo e “otras cositas más”.

Na edição impressa do JBFoco de hoje (terça, 16/01), publiquei um longo artigo comentando a respeito de uma constatação: Florianópolis vai receber dois milhões de turistas nesta temporada de verão.

E perguntei: o que Biguaçu está fazendo para atrair 5% (não estou falando em 10% ou 20%, mas apenas míseros 5%) desse contingente de 2 milhões de turistas que estarão veraneando em Florianópolis, município situado ao nosso lado?

Na realidade, a prefeitura de Biguaçu não fez, não faz e certamente não fará nada porque do Poder Público nada podemos esperar a não ser incompetentes ocupando cargos públicos e só preocupados em receber o salário e não fazer nada para que a cidade amplie seu desenvolvimento.

Bom! Não vou repetir o meu artigo. Confiram no jornal.

Mas que o gostaria de concluir é que a prefeitura de Biguaçu não faz nada a não ser cobrar impostos e, quando há notícias de melhoras no desempenho econômico, quer pegar carona na notícia para vender a ideia de que é “responsável” pelo crescimento, mas que, na realidade, não tem nada a ver.

O mundo é dos espertos, infelizmente.

 

http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/comex-vis/frame-municipio?municipio=4202305