Publicidade

O feriado cai numa quinta-feira. O dia seguinte devia ser dia normal de trabalho, mas a prefeitura de Biguaçu sempre decreta o famoso “Dia Facultativo” que, de facultativo, não tem nada, pois os funcionários públicos não trabalham. O feriado é prorrogado. O retorno ao trabalho só ocorre na segunda-feira seguinte. Se algum popular tiver algum problema pendente para resolver com urgência na sexta, só na famosa “próxima segunda-feira.”

Para o presidente do CDL de Biguaçu, Renato Petry, que sairá do cargo no próximo dia 15 de janeiro, essa situação é um absurdo, quando não um “atraso de vida”.

Segundo Petry, o excesso de feriados só prejudica a economia. E no caso da prefeitura, os “pontos facultativos” nada mais são do que “farra com o dinheiro do contribuinte”, ou seja, enquanto que os trabalhadores da iniciativa privada têm de trabalhar no dia seguinte, os funcionários públicos ganham mais um dia de folga, sendo que o dinheiro dessa “mordomia” vem dos impostos cobrados da população.

Para Renato, o Brasil precisa trabalhar, gerar empregos, aquecer as vendas, fazer negócios, pagar impostos. “Não tem jeito: para ganhar dinheiro decentemente, temos de trabalhar. Nos Estados Unidos, nem no dia da eleição é feriado. Os norte-americanos, se quiserem votar, têm de dar uma escapadinha do serviço, bem rápido, para exercer o direito do voto. Aqui tudo é pretexto para feriado”, observa.

 

SEM APOIO

Renato Petry procurou vereadores com o objetivo de convencê-los a apresentar um projeto de lei proibindo o “Ponto Facultativo” de sexta-feiras pós-feriados.

“Nenhum vereador que procurei aceitou apresentar esse projeto. Infelizmente na coisa pública, ninguém quer acabar com a indústria do “Emendão”. Mas a Acibig e o CDL continuarão essa luta porque todo o “Emendão” prejudica a população em geral e isso temo de acabar. Dia de trabalho é dia de trabalho. Ninguém vai a lugar nenhum sem trabalhar”, observa.

 

POVO PAGA A CONTA

“Tem gente que pensa que feriado sai de graça. Fiquem pensando assim. Num país onde há excesso de feriados, o custo dos dias parados acaba indo para as mercadorias, tudo diluído e, no final, quem está pagando a conta de um país com produtos e serviços caros para compensar os dias parados é o próprio povo”, observa.

FERIADOS EM 2018

  • 1º de janeiro: Confraternização Universal (feriado nacional)
  • 12 de fevereiro: Carnaval (ponto facultativo)
  • 13 de fevereiro: Carnaval (ponto facultativo)
  • 14 de fevereiro: quarta-feira de cinzas (ponto facultativo até as 14 horas)
  • 30 de março: Paixão de Cristo (feriado nacional)
  • 21 de abril: Tiradentes (feriado nacional)
  • 1º de maio: Dia Mundial do Trabalho (feriado nacional)
  • 31 de maio: Corpus Christi (ponto facultativo)
  • 7 de setembro: Independência do Brasil (feriado nacional)
  • 12 de outubro: Nossa Senhora Aparecida (feriado nacional)
  • 28 de outubro: Dia do Servidor Público (ponto facultativo)
  • 2 de novembro: Finados (feriado nacional)
  • 15 de novembro: Proclamação da República (feriado nacional)
  • 25 de dezembro: Natal (feriado nacional)

 

Publicidade