Publicidade

Na manhã de terça (06/02), o Brasil foi surpreendido com a notícia do desabamento de parte de um viaduto em Brasília. Ninguém morreu, mas o episódio desnudou uma constatação incrível: a falta de obras de reparo e conservação. O viaduto de Brasília desabou justamente por causa disso: falta de obras preventivas que evitassem a queda.

João Vianei, líder comunitário na região de Santa Catarina, interior de Biguaçu, chama a atenção para o estado precário das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Salles. As fotos que Vianei enviou para o JBFoco já dizem por si. As pontes estão em situação precaríssima. Ferragens estão à mostra. Corrosão para tudo que é lado nos pilares das citadas duas pontes.

O governo do Estado não faz a manutenção das mesmas. As fotos não deixam mentir. Pelas imagens, a situação é mais que preocupante.

Já imaginaram alguma das pontes desabando justamente na hora do rush? Além das possíveis mortes que certamente ocorrerão num acidente dessa magnitude, será o impacto econômico generalizado para a cidade. É que a capital catarinense, situada numa ilha, não tem transporte marítimo paradoxalmente. Todo o transporte de gente e mercadorias que circulam na capital é por meio dos veículos automotores a entrada e saída da capital dão-se por apenas duas pontes. Não tem mais outras pontes e a outra que tem, a Hercílio Luz, não termina nunca em sua obra de reforma.

Se uma das pontes desabar, será instalado o caos. Se com duas pontes funcionando, já ocorrem engarrafamentos quilométricos, agora imagine a capital reduzida a uma só ponte?

Não queremos nem pensar numa coisa dessas!!!

Parte do viaduto que desabou em Brasília. (Foto Reprodução G1)
Detalhe do acidente. Por sorte, ninguém morreu. (Foto Divulgação)
Sem manutenção há bom tempo, viaduto não resistiu e desabou. (Foto Reprodução G1)

 

 

Publicidade