PING PONG POLÍTICO
As últimas semanas em Governador Celso Ramos foram marcadas pela instabilidade política. Um verdadeiro PING PONG entre oposição e situação.
Como sabemos, o vereador Cesário Pereira (PSD), que fazia parte da base de governo do Prefeito Juliano Campos, declinou do governo para compor juntamente a oposição, aprovando inúmeros projetos de lei, inclusive os de sua autoria, e até derrubando vetos votando contra o próprio executivo.
Mas, como tudo que vai volta, no último dia 23, após tanto dialogar com a oposição, com a promessa de que “jamais voltaria a compor a base do governo”, mais uma vez pega todos de surpresa.

CONVENIÊNCIA
A portaria 419/2018 informava a nomeação de Cesário para a Secretaria de Comunicação, deixando sua cadeira de vereador, que será assumida pelo Segundo Suplente, Pedro Augusto, ex-secretário de administração da gestão Juliano Duarte.
Alguns indignados, outros contentes, porém, todos pensativos. Afinal, qual a verdadeira posição do Vereador Cesário? Há quem diga que ele não é vereador de governo nem de oposição, mas de conveniência.

Cesário Pereira: vereador da conveniência. (Foto Divulgação)

 

 

Ofício em que Cesário informa sua saída da câmara de vereadores de Ganchos. (Foto Divulgação)

 

Portaria onde o prefeito Juliano nomeia Cesário como secretário de comunicação. (Foto Divulgação)

ISEV. Ai! Ai! Ai!
Em janeiro desse ano o prefeito em exercício, Vilson Alves (PP) comunicou que o contrato com a ISEV (Instituto Saúde Educação e Vida), que administra os salários e a colocação de remédios nos postos de saúde de Biguaçu, seria rompido e que seria feita uma nova licitação para contratar uma outra entidade. A ISEV cobra mais de 80 mil reais por mês só para administrar o repasse de mais de 800 mil reais mensais que a prefeitura de Biguaçu faz para ela. Mesmo recebendo essa fortuna para administrar uma coisa que a secretaria de saúde do município deveria fazer pois é a sua atribuição, chove reclamações da falta de remédios, ameaças de greve e problemas trabalhistas contra a ISEV, além da falta de manutenção nas unidades de pronto atendimento (ar condicionado quebrado é o que mais tem). O negócio é tão grave que o próprio pessoal da ISEV manda os funcionários que estão sendo demitidos buscar os seus direitos trabalhistas alegando falta de dinheiro para pagar acordos que os colaboradores tem direito. Olha só! Se a PMB repassa essa fortuna e ainda assim os funcionários dessa instituição, quando dispensados, são surpreendidos na hora de receber os seus direitos com essa argumentação de falta de recursos, alguma coisa está muito errada mesmo. O MINISTÉRIO público tem que averiguar toda essa situação porque o negócio é muito misterioso.

FALTA DE NEGATIVAS
Inclusive a PMB não responde se essa instituição recebeu ou não repasses de verbas sem ter as NEGATIVAS em dia, o que é vedado pelo contrato. Até hoje a sociedade de Biguaçu não entende porque a secretaria de Saúde do município foge da responsabilidade em fazer o serviço que a ISEV faz e torra dos cofres públicos mais de 800 mil reais a cada 30 dias para repassar essa fortuna para essa entidade e ficar de braços cruzados sem fazer o trabalho que a ISEV faz, que por sinal é muito mal feito. Todo dia o quanto o povo reclama da falta de medicamento principalmente.

CADÊ A NOVA LICITAÇÃO?
Como já foi escrito anteriormente o prefeito Vilson no começo do ano, quando o titular Ramon estava de férias, deu uma de macho e disse TEXTUALMENTE que o contrato da ISEV seria reincidido e que uma nova licitação seria feita. Depois dessas palavras duras que mostrou o pulso forte de Vilson e a vontade dele ma dar um basta nessa situação incômoda o que aconteceu na prática foi NADA EFETIVAMENTE. O prefeito Ramon retornou das férias, continuou pagando a ISEV (já foi repassado mais 3 milhões a ISEV desde o começo do ano) depois do Vilson dizer que iria romper com essa entidade e ainda por cima não fez a tal licitação que o seu vice divulgou. Será que fará?

AMOR PLATÔNICO
Não se sabe ainda o porque desse amor platônico entre o prefeito Ramon e a ISEV, mas toda essa situação mostrou como o mandatário da cidade não respeitou o que Vilson determinou na sua ausência em janeiro desse ano. Vilson foi colocado de escanteio quando tentou romper a “paixão” do prefeito com a ISEV.

DE ESCANTEIO
Aliás, não é de hoje que esse colunista percebe o quanto o vice-prefeito de Biguaçu Vilson Alves é uma carta fora do baralho na atual gestão da PMB principalmente no quesito sucessão política . Quem conhece Alves sabe de seu trabalho constante e de sua maneira de fazer política com a credibilidade da sua palavra. Vilson é um trator em eleição e já está se articulando para tentar fazer do seu nome o candidato a prefeito nas próximas eleições municipais. Conta com o apoio do seu partido PP e do ex-prefeito Castelo.

VILSON NÃO É O CANDIDATO A PREFEITO DE RAMON
Mas o que fica cada vez mais claro é que Vilson não será o candidato de Ramon Wollinger para 2020. O que se fala dentro da PMB é que Wollinger já tem candidato e que seu nome é Douglas Borba. Os mais chegados de Ramon já comentam isso em alto e bom tom nos corredores da prefeitura. Inclusive já existe uma articulação dentro do governo para trazer o vereador Douglas para ser presidente do PSD municipal. O objetivo é fortalecer também o PSDB cujo presidente é Matheus Hoffmann (aliado de Borba) e minar uma possível candidatura de Vilson. Todo mundo sabe que o PSDB foi retirado o ex-vereador José Braz da Silveira para virar um trampolim político para Douglas. Dentro do PSD de Ramon tem vereador e secretários que não escondem de ninguém sua preferência pelo vereador Borba, que está hoje filiado ao PP. Mas o que vai realmente acontecer depende muito ainda das eleições estaduais desse ano.

Douglas Borba: articulação para assumir a presidência do PSD. (Foto Arquivo JBFoco)

 

 Vilson Alves: de escanteio. (Foto Arquivo JBFoco)

AVISO        

Receba gratuitamente notícias da comarca de Biguaçu em seu whatsapp. Clique no link abaixo, adicione nosso número (4898484-7539) e dê um OK.

bit.ly/WhatsJBFoco