Publicidade

BOM DIA

Ivânia Cota. (Foto Divulgação)

Nosso bom dia desta terça-feira, vai para a bela de São João Batista, Ivania Cota. Deixo aqui meu carinho e respeito a amiga e boas energias e conquistas nesta semana.

REVOLTANTE

O caso que levou a morte por conta de cerol da motociclista Josiane Marques. Quem vai pagar por esta vida. E não me falem em policiais vigiar estas ações por parte de jovens irresponsáveis.

REDE

Globolixo continua batendo forte no nosso governo. Mas tenho certeza que daqui a 4 anos, esta emissora será uma simples empresinha.

QUEREM

Canonizar a ex-terrorista Miriam Leitão. Só se for no santo fórum de São Paulo,

PÉS

No chão cabeça na Lua.  Em julho deste ano é comemorado o 50º aniversário da Apollo 11, a missão espacial onde Neil Armstrong e Buzz Aldrin se tornaram as primeiras pessoas a caminhar na Lua. Foi uma conquista humana incrível. A bandeira americana plantada em 20 de julho de 1969 ainda voa orgulhosamente na superfície lunar.

Cinquenta anos depois, os Estados Unidos estão trabalhando para enfrentar outro importante desafio: abordar o crescente risco cibernético no país. Esse movimento é tão desafiador quanto o plano original de cinco décadas atrás – se os crescentes cyber riscos seguirem seu curso atual, serão uma ameaça à economia da nação e ao nosso próprio modo de vida. Portanto, essa missão cibernética exige um esforço totalmente novo – em que todos os cidadãos americanos possam e devam se engajar.

A boa notícia é que esse esforço já começou. Tive a honra de co-presidir um subcomitê do Comitê Consultivo Nacional de Telecomunicações de Segurança (NSTAC) – grupo estabelecido em 1982 – que recomendou um plano nacional de cibersegurança. Nosso relatório foi aprovado por unanimidade pela NSTAC e, agora, entregue ao presidente.

O objetivo do programa nacional Cybersecurity Moonshot é ao mesmo tempo simples e audacioso: tornar a Internet segura e protegida para a prestação de serviços críticos até 2028. O relatório pede ação com urgência e é progressivo, mas transformador. Essas foram as mesmas considerações para o Apollo Moonshot original e são fundamentais para o sucesso da versão cibernética atual.

Projetos tão ambiciosos quanto o Apollo Moonshot são bem-sucedidos porque são imperativos nacionais e inspiram todos os “recursos e talentos necessários”, como o Presidente Kennedy disse em seu tempo. O lançamento do satélite Sputnik da União Soviética, no auge da Guerra Fria, provocou o plano lunar original e seu sucesso foi percebido com a mobilização de todos no esforço de atingir o objetivo com avanços em ciência, tecnologia, espaço e tecnologia de aviação.

Alguns dizem que os Estados Unidos ainda não tiveram seu “momento Sputnik” nas guerras cibernéticas. Mas, na verdade, o país já assimilou muitos dos primeiros tiros – desde os ataques de ransomware Petya e WannaCry de 2017, que paralisaram hospitais, transporte e partes de cidades inteiras, até um ataque de 2018 que expôs dados pessoais de até 500 milhões de usuários.

A diferença é que não avaliamos totalmente sua gravidade nem seu impacto no bem-estar econômico. O que está claro, no entanto, é que gangues multinacionais estão trabalhando para roubar de estados-nações e para nos desestabilizar, e os grupos terroristas, para nos destruir – e eles estão usando a Internet para isso.

Esses ataques contínuos à nossa infraestrutura crítica são um alerta para a tomada de ação imediata, e futuras tecnologias transformacionais, incluindo 5G, AI e quantum, aumentam, ao mesmo tempo, a capacidade de se proteger e os riscos de desestabilizar. Cabe a nós fornecer uma Internet resiliente que possa apoiar a estabilidade e o crescimento que os Estados Unidos merecem.

No entanto, essas ameaças não serão derrotadas apenas pelo governo. Indústrias envolvidas em comunicações, energia, saúde, transporte e outras também são responsáveis pela cybersegurança de infraestruturas críticas e toda a nossa população está para ser impactada. Dessa forma, o National Cybersecurity Moonshot convoca seis pilares de mudanças críticas em educação, política, comportamento, privacidade, ecossistema e tecnologia – que devem evoluir juntos para esse objetivo comum.

Hoje, enquanto você cuida do seu negócio diário, praticamente todas as interações que tiver com a infraestrutura do país incluirão alguma forma de automação conectada, desde a pressão da água em sua casa, o GPS em seu dispositivo móvel e carro e até a rota do ar, com o tráfego aéreo nas cidades. Nossos amanhãs serão ainda mais hiperconectados, com veículos autônomos, tomada de decisão automatizada, cidades e residências inteligentes e um nível sem precedentes de dados pessoais. A maneira que regulamos o uso e o compartilhamento dessas informações para garantir a confiança e a privacidade também será essencial para o sucesso.

Ao longo do relatório Cybersecurity Moonshot, usamos a frase “toda a nação” para descrever a abordagem necessária para fazer com que esse movimento seja bem-sucedido. Precisamos que o governo, as empresas e a academia trabalhem em conjunto com os americanos em todos os lugares em direção a esse objetivo comum. Por isso, disponibilizamos o documento para que qualquer cidadão americano possa lê-lo com um olhar crítico e inserir-se no diálogo.

Esforços semelhantes aos do passado mostraram-nos o valor de estarmos abertos a ideias úteis e encorajando discussões ativas. Porque está claro que a única maneira dos Estados Unidos atingirem o objetivo do novo Moonshot é com o engajamento geral Segurança cibernética é um assunto de todos – quando dissemos “toda a nação”, quisemos dizer isso.

(*) Peter Altabef é presidente e CEO da Unisys e atua como co-presidente do subcomitê de Cybersecurity Moonshot do Comitê Consultivo Nacional de Telecomunicações de Segurança (NSTAC) dos Estados Unidos

 

BISCOITOS

As novidades já estão disponíveis nos mercados e completam o portfólio que conta com as versões Chocolate, Brigadeiro, Coco, Leite e Milho Verde. Todas são desenvolvidas a partir de uma receita especial e exclusiva da Parati®, que ressaltam o sabor e a crocância de cada rosquinha, além de remeter à infância e bons momentos.

“Estamos sempre renovando e expandindo o nosso portfólio para surpreender o cliente, que busca novas experiências com a marca. Com os recentes lançamentos, reforçamos ainda mais nossa presença no mercado e a vontade de levar cada vez mais sabor e novidades ao nosso público”, afirma Damian Pirichinsky, diretor de Marketing Mercosul da Kellogg/Parati.

Nos últimos meses, a Parati® também lançou o Amanteigado sabor Chocolate e o biscoito Zoo Cartoon® (130g) nos sabores unicórnio e algodão doce – com um delicioso recheio de aroma de frutas. Outra novidade são os Cookies Parati® nos sabores Chocolate e Baunilha (60g), que agora contam com mais gotas de chocolate em sua composição.

Em 2018, a categoria de biscoitos da marca cresceu mais de 10% e colocou a Parati® como líder do segmento no Sul, interior de São Paulo e Rio de Janeiro. Do volume total de biscoitos vendidos pela marca, 12% vem da linha de Rosquinhas.

Sobre a Parati

Empresa de origem familiar, a Parati foi fundada há mais de 40 anos pelo imigrante italiano Angelo Fantin e, desde então, preza pelo alto padrão de qualidade de seus produtos.

Localizada em São Lourenço do Oeste (SC), a empresa possui um time de 3.200 colaboradores e conta com 36 linhas de produção. A Parati produz e vende em torno de 120.000 toneladas de alimentos por ano, principalmente biscoitos, massas e refrescos em pó.

Adquirida em 2016 pela americana Kellogg Company, a Parati é uma das principais indústrias de alimentos do Brasil e tem como objetivo surpreender os clientes e consumidores com produtos de qualidade e grandes novidades. Com a parceria, é possível inovar ainda mais e acelerar o crescimento da empresa.

Entre as marcas da Parati estão: Massas Parati, recheados Cartoon, Wafers Minueto, recheados salgados Hot Cracker, refrescos em pó Trink, além de rosquinhas, panetones, gelatinas, barras de cereais e muitas outras linhas.

DICA

Pais por favor fiquem atentos nestas férias aos seus filhos que gostam de soltar pipas, pandorgas com Cerol

QUERER

Habitar a Lua, conquistar Marte e não saber lidar com os problemas da Terra, isto enterra qualquer possibilidade de crescimento e desenvolvimento de nosso planeta.

FRASE

” Não vou seguir dieta nenhuma. Se ela quiser, que me siga.” Zeni Santos

LEITURA

PROBLEMAS OBA!!!  Roberto Shinyashiki. Roberto Shinyashiki é um psiquiatra e empresário brasileiro, famoso autor de livros de auto-ajuda e palestrante

ABRAÇOS

Coluna Opinião Formada – Walter Lemos Filho – E-mail: walterlemos1961@gmail.com.

 

https://chat.whatsapp.com/DzUCpmYip17KFtkEeyNpaD

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade