Publicidade

O Governo do Estado acaba de abrir uma licitação para contratar um empresa que deverá elaborar o “Plano Básico Ambiental de Biguaçu” com o objetivo de conseguir as autorizações ambientais que permitirão a implantação do novo “Presídio” do município, na rua Bertoldo Simão de Oliveira, no bairro Universitário, perto do Fundos, ou seja, em pleno perímetro urbano da cidade.

As empresas que pretendem participar dessa concorrência (Tomada de Preços) deverão entregar a documentação em 1º de agosto próximo.

 

Ramon Wollinger: para provar que você autorizou o presídio não pensando num futuro cargo de diretor, então vá no Cartório da dª Elza registrar isso. (Foto Arquivo JBFoco)

 

Presídio em Biguaçu para 400 pode virar a penitenciária estadual. (Foto Jessicauchoas. Pixabay)

 

 

HAJA TRAIÇÃO

Haja traição do prefeito Ramon Wollinger (PSD). Sabem por quê? Em nenhum momento, a população foi ouvida. Não houve uma reunião com a ACIBIG e lideranças comunitárias para saber dos detalhes do projeto.

Enquanto que alguns prefeitos de outras cidades de Santa Catarina consultaram tanto as câmaras de vereadores como também a população para saber se concordam ou não com a construção de um presídio em seus municípios, o prefeito Ramon fez tudo na surdina, quietinho, sem divulgar nada.

Aliás, para quem não sabe, o JBFoco protocolou, em janeiro do ano passado, um questionamento ao prefeito Ramon sobre se iria ou não autorizar a construção de um presídio em Biguaçu.

Ele não respondeu. Nunca responde. E como ficamos sabendo da liberação da obra? É que numa sexta-feira, dois dias antes do 2º turno das eleições presidenciais em outubro de 2018, o jornal Notícias do Dia publicou uma nota informando a respeito de uma reunião naquela semana entre prefeitos e representantes do governo do Estado.

A nota informava que o prefeito Ramon Wollinger autorizou a construção do presídio em Biguaçu enquanto que outros prefeitos não assinaram nada alegando que precisam consultar a população. Ramon foi de uma rapidez fulminante nessa autorização.

 

TAPENDO

Conforme dissemos antes, em janeiro de 2018, o JBFoco perguntou ao prefeito a respeito do presídio. Ele não respondeu.

Se ele tivesse respondido que iria autorizar sim o presídio, iríamos informar a população que, sabendo dessa informação, poderia reagir organizando ações para dizer que aceitaria ou não essa obra.

Teríamos entre fevereiro a outubro de 2018, ou seja, 10 meses para a cidade pensar no que fazer para pressionar o prefeito a autorizar ou impedir a obra.

Mas Ramon fez na surdina, escondido, nas sombras. Quando veio o momento certo, assinou a autorização e ponto final. Haja traição! Haja facada nas costas!

 

CÂMARA

O que acho grave nessa história toda foi que o prefeito não pedir autorização da Câmara. Sim, tinha de haver algum debate sobre o presídio na câmara de Biguaçu, ocasião em que os vereadores poderiam e deveriam até ouvir a população.

No final, a câmara iria votar se aceitaria ou não o presídio. Se a câmara decidisse pelo sim, pela maioria dos votos, o prefeito teria o respaldo de um órgão colegiado da cidade para autorizar o presídio, sem que essa responsabilidade ficasse toda em suas costas.

Mas aconteceu o contrário. Sem consultar nem ter autorização da câmara, sem ouvir a Acibig, que reúne o empresariado da cidade, nem as lideranças comunitárias, que representam os bairros, o prefeito decidiu por conta própria algo que afetará sem sombra de dúvida a dinâmica da cidade pelas próximas décadas ou séculos.

 

INTERESSES

O mandato de Ramon termina em dezembro de 2020. Ele é agente penitenciário de profissão.

Se a direção do futuro presídio for dado a Ramon, será perfeito. Afinal de contas, o cidadão mora num tríplex no Deltaville, no novo bairro Beira Rio. O presídio de Biguaçu ficará localizado a poucos quilômetros de seu apartamento.

Será maravilhoso ter um grande cargo (afinal de contas, diretor de presídio ganha muito mais do que agente penitenciário e ainda com a vantagem de despachar dentro de um gabinete com ar condicionado e não ficar lidando com presos nas celas) e, ainda por cima, pertíssimo de casa.

 

NA SURDINA

Ramon, tu és um cabra muito espertinho. Tudo está se encaixando. Você autorizou o presídio porque já está articulando tornar-se diretor dessa coisa aí.

Por que não pediu autorização da Câmara? Por que não ouviu a população? Por que não respondeu o protocolo do JBFoco questionando se iria ou não autorizar o presídio? Por que autorizou com tanta rapidez o tal presídio?

A resposta é simples: você já está pensando como xadrez, isto é, já está sonhando com o futuro cargo de Diretor do Presídio de Biguaçu.

Quer dizer, você usou um cargo público de poder para decidir autorizar uma obra que a maioria da população não aceita só para atender SEU INTERESSE.

 

DESAFIO

Ramon, prove que eu estou errado, exagerando e que tudo isso não passa de “delírio” da minha cabeça.

É muito simples. Vá no cartório da Dona Elza, que fica a poucos metros da sede da prefeitura, e registre a seguinte declaração: que não irá assumir como diretor do futuro presídio de Biguaçu. Ponto final. É bem simples.

Se você não fizer isso, aí, mermão, estará provando a nossa suspeita. Você usou o cargo de prefeito para tirar uma vantagem futura, que é ter um emprego melhor.

Como você fez tudo às escondidas, está mais que evidente que sua decisão de autorizar o presídio não foi porque você considera importante essa obra, que é “necessária para o bem da coletividade”, que “Biguaçu precisa de um novo presídio” etc e tal. Você autorizou porque quer um emprego de alta remuneração e, ainda por cima, bem perto de seu próprio Triplex.

Você que se acostumou ao poder, de ficar em salas luxuosas com ar condicionado, frigobar e ser saudado por serviçais, depois de ter sido prefeito da cidade, não quer voltar a ser um simples agente penitenciário que você era e ter de lidar com presos dentro de celas superlotadas.

Você não nos engana, Ramon!

 

PULANDO DE GALHO

Em 2018, Ramon apoiava o então candidato a governador, Gelson Merísio (PSD). Agora, em 2019, já está de mala e cuia para entrar no PSL, partido de Carlos Moisés da Silva, que venceu Merísio nas urnas.

Ué!! Antes era PSD e agora quer mudar radicalmente para o PSL? Por que tamanha mudança se antes era até “papagaio de pirata” do Merísio, que tinha a maior coligação de partidos na eleição de 2018?

Coincidentemente o governador Carlos Moisés, o azarão da eleição 2018, está com o papel e a caneta na mão para autorizar a construção do presídio de Biguaçu.

Ora, Ramon tendo mudado de partido e ido para o PSL, estará mais próximo de ser nomeado diretor porque estará filiado ao mesmo partido do governador, que é atualmente o “chefe” do estado.

E perguntamos: e se Ramon realmente for convidado e assumir com diretor do Presídio de Biguaçu no futuro. Não estará confirmado que ele usou o cargo para benefício próprio? Não é o “Óbvio Ululante”????

 

LEGITIMIDADE

O discurso oficial é o seguinte: Biguaçu tem um presídio atrás da delegacia de polícia da cidade. Tem capacidade apenas para 44 presos, mas lá se encontram mais de 80.

A alegação é que o governo do Estado vai construir um novo presídio para substituir o atual.

Perfeito. Então deveria ser construído um com capacidade máxima de 100 presos.

Mas o futuro presídio de Biguaçu terá 400 vagas, isto é, mais de quatro vezes o tamanho do atual presídio da cidade.

É brincar com a nossa inteligência. Além do mais, com um “puxadinho” aqui, outro ali, daqui a pouco esse presídio terá 1.000 ou 2.000 detentos.

Pô! Ao invés de trazer uma fábrica de alta tecnologia que gerasse empregos e grandes receitas em impostos para Biguaçu, o prefeito Ramon está trazendo um presídio para ele ter um emprego melhor????

 

BRINCANDO COM A NOSSA INTELIGÊNCIA

O governo do Estado construiu uma penitenciária em São Pedro de Alcântara. A população foi contra, mas não adiantou.

Num belo dia, um preso disse que estava com uma dor não sei onde e foi levado para o posto de saúde da cidade vizinha de Antônio Carlos.

Ué! Com uma baita de uma penitenciária, não há lá dentro uma enfermaria, umas salas médicas, equipamentos para atender os presos doentes?

Pois bem! Levaram o preso a Antônio Carlos e o que aconteceu? Tiroteio. Bandidos fortemente armados armaram a cilada, trocaram tiros com os policiais, quase alguém foi atingido e, no final, resgataram o preso que fugiu em disparada.

Perguntar não ofende: o futuro presídio de Biguaçu vai ter serviço médico ou vão mandar os presos doentes para a UPA da cidade?

 

CONSEQUÊNCIAS

Em frente ao terreno de APP (Área de Proteção Ambiental), diga-se de passagem, onde querem construir o presídio de Biguaçu, fica o Morro da Boa Vista.

Como geralmente surgem favelas próximas a presídios, não há o perigo do Morro da Boa Vista tornar-se, no futuro, uma favelona com vista panorâmica da cidade de Biguaçu?

Com 400, 800, 1000 presos, as famílias deles não tenderão a querer morar em Biguaçu, seja por meio de aluguel seja simplesmente invadindo áreas onde formaram-se favelas?

E quando uma favela se forma, o que acontece? Logo não surgem bocas de fumo?

Hoje Biguaçu convive com nada desprezível tráfico de drogas. Quando Biguaçu tornar-se “Cidade Penitenciária”, com o aparecimento de tanta gente estranha de tudo é que lado, vai ter o mesmo nível de tráfico de drogas dos dias de hoje?

E as fugas e rebeliões? Biguaçu passará a conviver com rebeliões de facções de presos?

Um dia o cidadão biguaçuense sair de casa com seu carro e a rua vai estar interditada por policiais que estão ali por causa de uma rebelião de presos?

E isso, prefeito Ramon, o seu “grande legado”???

 

RESUMINDO

O Governo do Estado alega que o número de presos aumentou absurdamente e não há presídios suficientes para abrigar tal demanda.

OK! É verdade. Mas as cidades não aceitam presídios. O que fazer então?

Não tem problema algum Biguaçu ter um presídio ou uma penitenciária. Mas não é possível aceitar uma imposição. Se a comunidade de Biguaçu (leia-se câmara, Acibig, líderes comunitários, associações etc) disserem que “sim”, “aceitamos o presídio”, tudo bem. É uma decisão soberana da cidade.

Agora não ter essa consulta e não ter havido uma discussão democrática, sincera e apresentando todos os detalhes, aí fica difícil.

 

MOBILIZAÇÃO

Bom! Das duas, uma. Ou a população vá às ruas protestar contra o presídio ou aceite passivamente e, no futuro, quando Ramon assumir com diretor dessa prisão gigante, o aplaude.

Mas se é contra e está revoltada com esse absurdo, então comece a protestar. Uma forma é invadir o canteiro de obras com o objetivo de impedir a construção. Também é possível querer fechar a BR-101 para obrigar o Governo do Estado a parar com a obra e negociar uma solução.

Se a população realizar seguidos protestos, quem sabe o Governo do Estado pode desistir dessa obra ou, pelo menos, iniciar a discussão para um entendimento.

Se a câmara de vereadores de Biguaçu não tivesse tantos membros com cargos comissionados indicados na prefeitura, poderia aprovar até mesmo uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a problemática conduta do prefeito Ramon em todo esse processo.

Sim, a conduta de Ramon foi muito suspeita e precisa ser investigada, mas isso não vai acontecer. Enquanto não houver um lei acabando com os cargos comissionados e uma ampla reforma política, não teremos câmaras independentes e suscetíveis ao comando de prefeitos.

Esperamos ter contribuído para a cidade acordar-se com os absurdos decididos entre quatro paredes e com as brincadeiras com as nossas inteligências.

https://chat.whatsapp.com/DzUCpmYip17KFtkEeyNpaD

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade