Publicidade

Se no Brasil estar atrasado e não ser pontual é a regra e não a exceção, a pontualidade no Japão é levada à última consequência.

Foi o que aconteceu há pouco tempo na cidade de Notogawa, situada no centro daquele país.

O trem da West Japan Railway Company partiu da estação às 7h11m35segundos. Mas o horário da partida era 7h12.

Calma. O quê? O trem saiu adiantado 25 segundos antes do horário previsto. Sim, não estamos falando de que o tal trem saiu 25 minutos antes da partida prevista e, por causa disso, provocou o maior transtorno de passageiros não tendo conseguido embarcar por causa da partida tão adiantada.

O trem japonês iniciou a viagem 25 SEGUNDOS antes.

Mas o incrível nem foi isso. Foi o fato de que a direção da companhia publicou um comunicado num jornal local, o Asahi, pedindo mil desculpas pelo “incidente” dos 25 segundos.

E não é a primeira vez que a tal West Japan Railway Company comete “erro” de partir segundos adiantados. Um ano antes um trem seu partiu 20 segundos antes do horário previsto.

Pena que não sabemos ler em japonês, mas se soubéssemos e fôssemos ler os jornais deles, certamente encontraríamos reportagens “inacreditáveis” para nossa cultura como, por exemplo, sobre atraso de trens (por “n” motivos) e os jornais calcularem os prejuízos provocados às pessoas que chegaram atrasados a seus compromissos profissionais ou pessoais e às companhias que tiveram prejuízos pelo fato de que seus funcionários não chegaram no horário certo para começar a trabalhar.

A obsessão por pontualidade no Japão chega ao extremo e isso já provocou uma tragédia. Em 2005, um condutor de trem sabia que chegaria atraso uns 90 segundos (ou seja, um minuto e 30 segundos) na estação. O que ele fez? Acelerou o trem, mas acabou descarrilando e matou mais de 100 pessoas.

 

Trem. (Foto Mampu. Pixabay)

 

https://chat.whatsapp.com/DzUCpmYip17KFtkEeyNpaD

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio carlos, Governador Celso Ramos e região.

 

Publicidade