Publicidade

BOM DIA

Fabiane Maciel. (Foto Divulgação)

Nosso bom dia desta quarta-feira, vai para à amiga Fabiane Maciel. Agenciadora na Escola de Parapente OVNI, e Barco Pirata. Se você quer fazer experiência de lazer pelo ar e mar, é com ela que você fala. Deixo aqui m eu abraço e desejo de sucesso sempre.

 

TECNOLOGIA E CONSUMIDOR

“O quanto você se surpreende com as ações de live marketing e brand experience executadas nos últimos anos? A integração com mobiliário urbano, a geolocalização, o reconhecimento facial e internet das coisas estão cada vez mais presentes em muitos momentos das nossas vidas. Isso já se tornou tão natural, que – as vezes – não percebemos o quanto a tecnologia desenvolveu novas possibilidades para melhorar a experiência do consumidor nos últimos tempos.

Durante anos, visitei os maiores eventos de tecnologia e startups por todo o mundo, como o The Next Web de Nova York e Amsterdã, Techstars, SXSW, 500 Startups e em todos eles me surpreendi com a evolução da aplicação de tecnologia. Antes, eu costumava receber os guias em papel e me perder buscando as palestras e painéis mais interessantes para visitar, mas estes foram substituídos com sucesso por aplicativos, que fazem a função com maestria. Mais do que isso, agora antes mesmo de chegar a qualquer um desses grandes eventos, você descobre o que vai bombar apenas acompanhando influenciadores de nicho ou hashtags no Twitter. Isso caso você decida ir até lá para acompanhar os painéis de forma presencial, já que a transmissão online evoluiu de forma tão significativa que a experiência de conteúdo pode ser excelente no conforto da sua casa.

Em 2019, vamos ver cada vez mais webinars, lives, stories e posts vindos de experiências reais. Não existe mais a possibilidade de evento fechado ou secreto, porque alguém sempre vai postar, então é bom estar preparado. As áreas instagramáveis continuam com tudo, as marcas estão entendendo a sua relevância, afinal, todo mundo quer uma foto bacana para o feed. Por isso, é prudente investir em hashtags oficiais para que seu conteúdo seja encontrado quando todos forem embora, planejar o pós evento é tão importante quanto o planejamento estratégico, porque uma experiência de um dia offline pode durar meses online.

Outra evolução é a gamification, não há quem não jogue – pelo menos – algum tipo de jogo. É divertido observar que os gamers não são mais tão jovens assim e que um case como o da Wendy’s, marca americana de fast food, com o game ‘Fortnite’ seja o vencedor do Grand Prix da categoria Social & Influencer em Cannes, neste ano. Estamos “socializando” dentro de jogos online e isso é sensacional! Para os eventos não é diferente e podemos adicionar a estimulação dos participantes com dinâmicas e pontuação. Essa abordagem vai aparecer e crescer ainda mais com a entrada das novas gerações no mercado de trabalho.

Podemos também nos relacionar de forma indireta com a tecnologia, que talvez não seja perceptível, mas desde o credenciamento via hotsite, até o LED de altíssima resolução para o estande, é puro desenvolvimento tecnológico. Nem sempre é óbvio para o cliente, mas estamos conectados 24 horas por dia e 7 dias por semana. Além disso, a inclusão de tecnologias como convites e transações digitais aumentam o resultado e reduzem custos para os clientes, fazendo com que a tendência com gastos em papelaria sejam cada vez menores.

Uma outra ferramenta que pode ser aproveitada no setor é a realidade virtual e aumentada. Sabemos que no Brasil ainda é uma estratégia cara e trabalhosa, mas vale a pena o investimento em produção de material para este tipo de interação com o público, já que leva uma experiência diferenciada. Temos muitas possibilidades para serem exploradas e cabe aos profissionais utilizá-las em busca de uma experiência 360 para o cliente.

Precisamos evoluir na captação de informações e entender o que fazer com todo material levantado nos coletores e plataformas. Interpretar os dados para o mercado de live marketing ainda não é um pensamento tão maduro, é necessário o desenvolvimento de um trabalho específico de BI para fazer essas experiências cada vez mais assertivas. Afinal, mesmo sem likes visíveis, it´s all about social! Artigo de Olivia Camargo.

URGENTE

Precisamos sair as ruas para fechar o $TF. Este balcão de negócios corruptos dos homens de preto.

FALAR

Que Eduardo Bolsonaro não tem perfil para assumir embaixada, até concordo Mas o Ministério Público do Rio já estudou os casos  de indicação para o STF  que o PT fez com Gilmar Mendes, Toffoli, Levandowisk, corruptos incorrigíveis.

DICA

Aprenda a administrar seu negócio: Não perca tempo! Acesse o Portal de Atendimento do Sebrae e tenha acesso a cursos online, video-aulas e e-books de forma rápida e gratuita.

DECRETO

Estava na fase de definição do tema deste artigo, quando foi assinado o decreto nº 9.854. de 25 de junho de 2019, que instituiu o “Plano Nacional de Internet das Coisas e dispõe sobre a Câmara de Gestão e Acompanhamento do Desenvolvimento de Sistemas de Comunicação Máquina a Máquina e Internet das Coisas”, conforme descrito na abertura do documento. A comemoração no ecossistema foi grande, pois era grande a expectativa em torno de sua oficialização, assim como analisei no texto Plano Nacional de Internet das Coisas Precisa sair da retranca. Afinal, desde 2017, o mercado e a sociedade brasileira aguardavam esse decreto. Por isso, o assunto do artigo não poderia ser outro.

O Plano Nacional de IoT (IoT.br) é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), do Ministério da Economia (ME) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em conjunto com a sociedade civil – empresas, academia, agências de fomento e outros órgãos -, e participei ativamente da sua elaboração como representante da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software no conselho consultivo, após muitas reuniões, consultas públicas, pesquisas e relatórios, que estão disponíveis para download. E, como tendemos a ser ansiosos, novas perguntas surgiram: o decreto do IoT.br foi assinado. E agora? Quais são os próximos passos?

Primeiramente, o decreto traz uma definição do que é IoT e seus devices (“sistemas de comunicação máquina a máquina”, com exceção de máquinas de cartão de crédito e débito); explica como funcionará a Câmara IoT; reitera quais são as quatro verticais prioritárias (agronegócios, saúde, cidades inteligentes e indústria) e explica, em seu segundo artigo, que Internet das Coisas diz respeito à “infraestrutura que integra a prestação de serviços de valor adicionado com capacidades de conexão física ou virtual de coisas com dispositivos baseados em tecnologias da informação e comunicação existentes e nas suas evoluções, com interoperabilidade”. Resumindo, temos bases para conferir mais segurança jurídica aos projetos e iniciativas baseados em IoT.

E, falando das iniciativas em IoT, agora temos a base oficial que dá direcionamento e estímulo à continuidade das ações em andamento, como o BNDES Projetos Piloto de IOT e suas linhas de crédito, assim como as atividades conduzidas pela Finep, Embrapii, Senai, Sebrae, ABDI e os institutos de ciência e tecnologia. Antes disso, tanto as iniciativas governamentais quanto as privadas, estavam trabalhando projetos relacionados à IoT sem uma base regulamentar, especialmente quanto às questões tributárias. Lembro ainda que temos no Congresso o Projeto de Lei 7.656/2017, de autoria do deputado federal Vitor Lippi (PSDB-SP) que propõe zerar taxas para incentivar o IoT, que já está aguardando parecer do Relator na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC).

Quanto à Anatel e suas certificadoras, em meu ponto de vista, terão o desafio de agilizar seus processos de homologação e certificação para os devices de IoT, a fim de evitar que a burocracia postergue os lançamentos e, consequentemente, afete os negócios em um segmento no qual a possibilidade de obsolescência de um equipamento tende a ser mais rápida, em alguns casos.

Importante ainda lembrar que o IoT.br está alinhado aos objetivos e ações definidas na Estratégia Brasileira para a Transformação Digital, oficializada pelo Decreto nº 9.319, de 21 de março de 2018. A Câmara Nacional IoT retoma suas atividades e em decorrência das verticais priorizadas, já temos a Câmara Nacional da Indústria 4.0, criada em abril de 2019, em uma ação interministerial do MCTIC e Ministério da Economia (ME), da qual tenho participado e garanto que muitas ações boas e estruturadas virão brevemente. E neste mês de julho, o governo instituirá a Câmara Nacional do Agro 4.0, uma ação conjunta do Ministério da Agricultura e MCTIC e, muito em breve, virão as Câmara Saúde 4.0 e Cidades 4.0. E, se considerarmos a recente assinatura do acordo histórico de livre comércio, fechado entre o Mercosul e a União Europeia, ouso dizer que não me recordo de termos, nos últimos anos, condições tão propícias para “fazermos acontecer” de forma tão consistente.

Por isso, tenho dito que vejo o decreto não como um fim, mas como a retomada do “jogo” para que o Brasil se posicione na vanguarda do ecossistema mundial de IoT. A tendência é que muitas inovações comecem a aparecer rapidamente no mercado B2B e B2C, com novas soluções para todas as verticais citadas e introduzindo mais tecnologias IoT no cotidiano dos consumidores.

*Werter Padilha é Coordenador do Comitê de IoT da ABES

SOBRE A ABES

A ABES, Associação Brasileira das Empresas de Software, representa aproximadamente 2 mil empresas, que totalizam cerca de 85% do faturamento do segmento de software e serviços no Brasil, distribuídas em 23 Estados brasileiros e no Distrito Federal, responsáveis pela geração de mais de 205 mil empregos diretos e um faturamento anual da ordem de R$ 61 bilhões em 2018.

Desde sua fundação, em setembro de 1986, a entidade busca ser relevante para seus associados e referência nacional e internacional do setor de tecnologia, sempre alinhada à sua missão de conectar, orientar, proteger e desenvolver o setor brasileiro de TIC. Oferece aos seus associados vários benefícios e serviços, como certidões, orientadores jurídicos e eventos. Conta com vários comitês temáticos para debater temas em evidência e definir diretrizes de atuação.

É referência como fonte de dados do setor e foca suas ações nas áreas jurídica, tributária, regulatória, compliance e de fomento à inovação, entre outras. A ABES promove o empreendedorismo, visa a melhoria do ambiente de negócios e a competitividade e luta por um Brasil mais digital e menos desigual.

FRASE

” O orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.” Santo Agostinho.

HOJE

É dia da Unidade Humana. Pensar sobre esse tema nos leva a imaginar sobre as diversas expressões culturais existentes, e nos remete a propor uma definição sobre cultura. Segundo Chauí (1995, pg. 50) “A cultura é a criação coletiva de idéias, símbolos e valores pelos quais uma sociedade define para si mesma o bom e o mau, o belo e o feio, o justo e o injusto, o possível e o impossível, o inevitável e o casual, o sagrado e o profano, o espaço e o tempo.

A cultura se realiza porque os seres humanos são capazes de linguagem, trabalho e relação com o tempo.

A cultura se manifesta como a vida social, como a criação de obras de pensamento e de arte, como vida religiosa e política.”

A diversificada forma de manifestação cultural que o indivíduo apresenta em sociedade, vem atravessando fases de transformações sociais que exige de cada um de nos, maturidade e respeito diante das diferenças apresentadas.

Os pressupostos culturais diversos e a dinâmica da transformação cultural é notório, e algumas classes sociais (deficientes, indígenas, negros etc.) tem sido de alguma forma alvo de escárnio por algum grupo que se julga muitas vezes a voz da expressão moral, os quais tem estabelecido normas e condutas que devem ser observadas como padrão.

Nestes casos, o respeito às diferenças não tem sido levado em consideração, à diversidade tem sido vista como algo de horror e uma afronta aos bons costumes, surgindo com isso à discriminação e o preconceito, onde alguns são excluídos, são considerados seres inferiores e sem expressão social, por isso indigno de todo respeito que um cidadão merece.

LEITURA

OS PENSADORES – é uma coleção de livros que reúne as obras dos filósofos ocidentais desde os pré-socráticos aos pós-modernos. O interessante desta coleção é que ela reúne em cada exemplar um pequeno apanhado sobre a biografia do autor em questão e um, dois ou três livros deste mesmo autor, normalmente os títulos mais conhecidos.

ABRAÇOS

Coluna Opinião Formada – Walter Lemos Filho – E-mail: walterlemos1961@gmail.com.

 

JBFoco Online – Terça-feira (13/08/19)

https://chat.whatsapp.com/CwLeRbK861A1Ks6fButk29

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade