Publicidade

A história se passou na cidade de Fruita, interior do estado norte-americano do Colorado.

Lá viviam os Olsen, uma família de agricultores. Eles criavam frangos.

Em setembro de 1945, o casal Loyd e Clara Olsen foi fazer um abate de frangos da fazenda.

O método usado foi a decapitação, ou seja, coloca-se a cabeça da ave num tronco e dá-lhe a machada.

Às vezes acontece um fenômeno curioso. Mesmo já sem a cabeça, o frango bate asas, anda por alguns centímetros e cai. Ou seja, ele consegue movimentar-se por alguns segundos mesmo depois da separação da cabeça do resto do corpo.

Loyd foi fazendo seu trabalho de cortar as cabeças dos frangos quando deparou-se com algo realmente estranho: após cortar a cabeça de um frango específico, verificou que o bicho continuava em pé mesmo já não tendo mais a cabeça.

Sim, o frango decapitado continuava movimentando-se normalmente como se nada lhe tivesse ocorrido e como se ainda tivesse a cabeça.

Depois de certo tempo, o bicho, agora sentido a dor da perda da cabeça, começou a debater-se e a correr para todos os cantos, mas o curioso é que não caía morto. Continuava esperneando-se.

O dono da fazenda conseguiu pegar o bicho e colocou-o numa caixa pensando que, no dia seguinte, iria encontrá-lo morto. Mas para sua surpresa, o bicho continua vivinho da Silva.

Confira o vídeo sobre essa história surpreendente.

VÍDEO

 

Foto do tal frango decapitado que continuou vivo. (Foto Reprodução Life Magazine- Google Images)
Frango e o dono do mesmo mostrando a cabeça cortada do mesmo. O animal ficou vivo por um ano e meio sem a cabeça. Pode uma coisa dessas. (Foto Google Images)
Imagem da época do frango decapitado que continuava vivo. (Foto Google Images)

 

JBFoco Online – Quinta-feira (19/09/2019)

 

https://chat.whatsapp.com/Lt0gdEGjQiYAvavsWLeuTf

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio Carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade