Publicidade

Matheus Hoffmann será o coordenador e comemora altos índices de aprovação do governo Moisés

 

O secretário Adjunto da Casa Civil do governo do Estado, Matheus Hoffmann será o coordenador do comitê eleitoral do PSL da Grande Florianópolis. Hoffmann foi convidado pelo governador Carlos Moisés (PSL) e pelo deputado federal Fábio Schiochet (PSL). Vinte municípios dessa região, incluindo Biguaçu, estarão sob o comando de Matheus para eleger o maior número de prefeitos do partido do governador ano que vem.

 

Matheus Hoffmann será o coordenador geral do PSL nas eleições de 2020 da grande Florianópolis. (Foto Arquivo JBFoco)

 

 

 

FORA DE COGITAÇÃO

Uma das imposições para exercer essa coordenação é justamente não ser candidato a majoritária, logo o nome de Hoffmann como candidato a prefeito de Biguaçu pelo PSL está totalmente descartada.

 

APROVAÇÃO RECORDE

 

Governador Moisés quer eleger o prefeito de Biguaçu pelo PSL. (Foto Arquivo JBFoco-Peterson Paul)

 

Matheus informa que a aprovação do governo Moisés, principalmente aqui na grande Florianópolis passa dos 74% e que o governador quer eleger muitos prefeitos na região. E como Biguaçu está muito bem representado na sua gestão com cargos de primeiro e segundo escalão além de algumas diretorias, Moisés não medirá esforços para eleger o prefeito do município.

 

PESQUISAS

O PSL está fazendo muitas pesquisas no estado para estudar o perfil de candidato que cada cidade quer. Diante desse resultado se trabalhará o nome ideal para disputar as eleições de prefeito para 2020. O que ficou acertado é que essa pessoa tem que ter semelhanças com o modo de governar de Carlos: ser uma pessoa com austeridade, capacitado e administrar o município com o objetivo de não se fazer práticas da velha política como lotar a gestão com cargos comissionados e governar tendo secretarias “ilhas” onde pessoas e partidos dominam pastas executivas que não proporciona interação.

Em Biguaçu também será feito essa pesquisa ainda nesse mês para até fim do ano se ter o nome do candidato dentro desses requisitos para se começar a trabalhar essa pessoa já no início do ano que vem.

 

AINDA NÃO TEM NOME

Matheus fez questão de frisar que Biguaçu ainda não tem esse nome e que a pesquisa dará um rumo para se encontrar o perfil ideal e que terá o aval do governador. O ex-prefeito da cidade, José Castelo Deschamps e o atual secretário da casa civil, o biguaçuense Douglas Borba estão igualmente fora dessa disputa.

O primeiro porque não quer e o segundo não deixará a secretaria estadual até o fim do mandato do governador. Hoffmann, assim como Borba, deixa claro que o PSL terá candidato a prefeito de Biguaçu e que o partido está sendo muito assediado em busca de filiações e que nesse momento estão trabalhando para trazer uma competitiva nominata para vereador.

 

REDE SOCIAL

Matheus salienta que as eleições municipais de Biguaçu contarão muito as redes sociais. E que essa ferramenta será muita usada pelo PSL. O atual secretário adjunto lembra da campanha do então vereador Douglas Borba pela internet e que isso será repetido na majoritária de 2020 com muito mais novidades. Borba foi reeleito na vereança como segundo candidato mais votado em Biguaçu em 2016.

 

Douglas Borba: quando candidato a vereador em Biguaçu, Borba usou muito bem as redes sociais. (Foto Arquivo JBFoco)

 

ECONOMIA

Matheus Hoffmann informa como o governo do Estado está dando uma aula em economia. Só para se ter ideia, a gestão Moisés recebeu de seu antecessor mais de 800 milhões em dívidas na saúde com fornecedores e que desse valor 550 milhões já foram pagos. Outro exemplo de economia vem na compra de oxigênio que se usa nos hospitais. Antes se gastava 24 milhões por ano por que se comprava de intermediários e hoje a atual gestão gasta a metade porque adquire direto da fonte. As desapropriações para o acesso ao novo aeroporto era uma novela porque a gestão do ex-governador Colombo (PSD) não tinha dinheiro em caixa para pagar os proprietários de terrenos que ficavam dentro desse percurso. Já no governo Moisés foram feitos em apenas 9 meses 188 desapropriações em comparação a 68 feitas nos 4 anos da gestão passada. Por causa disso o aeroporto novo pode ser inaugurado com acesso aberto. Em viagens do governo se gastava 4 milhões por ano agora existe uma economia de 95%. Moisés gastará 200 mil para viajar, 5% do que se gastava antes.

 

JBFoco Online – Segunda-feira (07/10/2019)

 

https://chat.whatsapp.com/FPjwOITgOdo9LQnZAJprNs

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio Carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade