Publicidade

Caros leitores. Antes da reflexão, leiam esta matéria redigida pela assessoria de imprensa da prefeitura de Biguaçu intitulada “Prefeitura e Câmara cobram explicações da Casan para a falta de água e obras de esgotamento sanitário”.

No final, explicarei o que desejo registrar. Vamos à leitura:

O prefeito Ramon Wollinger e o vice-prefeito Vilson Norberto Alves participaram na tarde desta segunda-feira (18/11), de reunião na Câmara de Vereadores com a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). Na pauta de discussão, o sistema de esgoto do município, o abastecimento de água e o repasse de 7% da arrecadação da Companhia para obras na cidade.

Segundo a Casan, as obras do sistema de esgotamento sanitário serão retomadas após a definição do terreno que receberá a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). O projeto inicial foi embargado através de uma Ação Civil Pública, movida em outubro de 2016, por uma associação de moradores que questionou a construção da estação nas proximidades de um condomínio.  Readequado o projeto, a Companhia apresentou três novos locais para a execução da obra. Os mesmos serão submetidos à aprovação do Executivo e em seguida serão licitados.

A constante falta de água no município também foi assunto da reunião. O diretor de Operação e Expansão, Fábio César Krieger, destacou que a companhia vem trabalhando para minimizar o problema em Biguaçu e na região da Grande Florianópolis. Ele informou ainda que a companhia está desenvolvendo um projeto para captação de água do Rio Biguaçu e que a licitação para execução do mesmo será deflagrada em 2020. O projeto tem capacidade para atender até 400 mil pessoas.

Os representantes do Executivo e Legislativo cobraram o repasse do percentual de 7% do valor que Companhia arrecada em Biguaçu para investimentos na cidade. Esse valor está estabelecido em contrato firmado entre o município e Casan. A diretora presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos, informou que o repasse será feito a partir de março de 2020.

“Foi uma reunião proveitosa, podemos expor nossos problemas e junto à Casan estabelecer prazos para que as ações sejam realizadas. Contamos com o apoio da Companhia para que juntos possamos cumprir no tempo estabelecido tudo que foi deliberado”, comentou o prefeito Ramon.

A reunião contou com a presença de vereadores, secretários e do diretor da agência Biguaçu, Marcelo Nascimento.

Prefeitura e Câmara se reúnem com Casan e cobram melhorias, mas não falam do Amãncio. (Foto Eduardo Pauli – DICOM PMB)COMENTÁRIOS

Leu tudo? Guardou todos os detalhes? Pois bem. Aqui vão alguns comentários.

 

  • Na citada reunião, falou-se a respeito da Estação de Tratamento de Esgoto, que a Casan não fez até o presente momento por causa de uma ação judicial dos moradores do Deltaville movida em 20016 contra a instalação da mesma. O interessante é que a assessora de imprensa não informa que o terreno em questão foi da prefeitura e esta VENDEU para a Casan instalar a dita estação. Quer dizer, a prefeitura faz-se de desentendida sobre o caso. Vendeu um terreno problemático para a Casan (com o dinheiro, Ramon fez uma arrumação contábil para que as contas da prefeitura estivem organizadas de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal) e agora posa de “reclamadora” de que a Estação não sai nunca.
  • Outro detalhe é que a Casan pretende captar a água do rio Biguaçu, justamente um rio poluído que recebe todo o esgoto de Antônio Carlos e da zona rural de Biguaçu. E por que não se falou do manancial do Amâncio? E o reservatório desativado da Saudade será usado? Por que o prefeito Ramon, que se encontrava no local, não cobrou o uso da água do Amâncio e do reservatório da Saudade para serem utilizados no abastecimento de Biguaçu?
  • Anos atrás, lemos no Diário Catarinense uma nota do colunista Moacir Pereira a respeito do plano de usar a água do manancial do Amâncio para abastecer o norte da ilha de Santa Catarina. Vale lembrar que a água do Amâncio é de muita qualidade. A questão é: cadê o prefeito Ramon questionando o que será feito da água do Amâncio? Ou vai deixar que a Casan recicle água poluída do rio Biguaçu para abastecer Biguaçu enquanto que água de excelente qualidade do Amâncio seja “reservada” para Florianópolis?
  • O fato é que o prefeito Ramon participou da reunião com a Casan e não fez o óbvio: questionar quando é que a água do Amâncio será utilizada.
  • Aliás, o que impede a prefeitura de Biguaçu a realizar um estudo para que outras empresas sejam contratadas para explorar alguns mananciais de água da cidade? A água do Amâncio não pode ser explorada por alguma empresa para abastecer justamente as regiões de Biguaçu onde não há abastecimento pela Casan? A água do reservatório da Saudade não poderia estar abastecendo os bairros Prado de Saudade e esse serviço poderia ser dado a uma empresa particular que vencesse a licitação?

 

Enfim, o que deveria ser cobrado, não é e Biguaçu vive problemas de abastecimento d´água.

A propósito, já está começando o problema da falta d´água. Recebemos na quarta (20/11) um whatsapp de uma leitora com os seguintes dizeres: “Voltamos nos ao transtorno da falta de água. Rumo ao 5 dia sem água.

5 dias de banho de caneca. 5 dias da casa cheia de garrafas pets com água.

Galão vazio, sim, até o tonel está vazio. Após tanta chuva ter que passar por isso novamente.Absurdo. Oscarina, bairro Prado”.

E pensar que há um reservatório desativado no bairro vizinho de Saudade e a moradora Oscarina, do Prado, está sofrendo agora, nesta semana, com falta d´água.

Que loucura!!!

 

 

 

Ozias Alves Jr (Editor)

E-mail: reportagemjbfoco@gmail.com

Publicidade