Publicidade

Walter Lemos Filho

E-mail: walterlemos1961@gmail.com

 

BOM DIA

Rafael Elizeu. (Foto Divulgação)

Nosso bom dia desta quarta-feira vai para o amigo, multimídia Rafael Elizeu. Engenheiro, músico e acima de tudo, dono de um carisma ímpar. Deixo aqui minha singela homenagem a este grande ser humano. Beijos meu querido.

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

Mercedes Blázquez

 

Vivemos um tempo de desafios em que as mudanças climáticas impõem atitudes radicais mundiais. É preciso repensar novas formas de produzir energia e alimentos, de reutilizar, reciclar e reaproveitar recursos naturais de maneira ética e eficaz, para que as sociedades enfrentem as próximas décadas com sustentabilidade. O Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) concluiu, em 2018, que as emissões de gases de efeito estufa deveriam diminuir 50% até 2030 para atingirem a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a 1,5 Cº.

A União Europeia está no caminho certo para cumprir sua parte, com uma fatia de quase 20% de energias renováveis em sua matriz energética no fim desta década. Cidades como Copenhague (Dinamarca), estão na vanguarda de um movimento que estabelece medidas para tornar neutros em carbono os centros urbanos nos próximos anos. As iniciativas, porém, têm atravessado continentes.

O Brasil tem grande potencial de se beneficiar de tecnologias europeias em setores que contribuem para uma economia de baixo carbono. O maior país da América Latina é rico em recursos naturais, que podem ser melhor aproveitados. Uma estimativa realizada recentemente pelo Observatório do Clima, baseada em uma análise do SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa), aponta que o país precisa melhorar seus instrumentos e sua governança para cumprir o que se comprometeu para 2025 no Acordo de Paris.

Somente por meio de resíduos desperdiçados no setor sucroenergético, por exemplo, poderiam ser gerados anualmente, segundo a Associação Brasileira de Biogás (Abiogás), 41 bilhões/m³ de biogás, que pode ser utilizado como biocombustível, evitando a emissão de poluentes gerados pela queima de diesel. Já a energia solar deve crescer 44% no Brasil em 2019, mas ainda responde por apenas 1% da capacidade instalada na matriz energética do país, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Por isso, a União Europeia investe, desde 2015, por meio do programa Low Carbon Business Action in Brazil, no intercâmbio entre pequenas e médias empresas de seus países membros e do Brasil para a criação de soluções em setores como energias renováveis, agricultura de precisão, biogás, gestão de resíduos, geotermia e eficiência energética. Por meio dos seus quase 100 projetos apoiados durante a vida do programa, que contemplam joint-ventures, transferência de tecnologias e parcerias comerciais, será evitada a emissão de CO2 equivalente ao estoque em 2.280 hectares da Floresta Amazônica. Já a economia de água equivalerá a 1.686 piscinas olímpicas.

No caso dos projetos no setor de energias renováveis, quando implementados, será possível gerar energia suficiente para o consumo anual de 206.489 residências. Já no quesito de gestão de resíduos, o Brasil poderá reutilizar ou reciclar a quantidade de lixo equivalente a 1.380.037 caminhões de coleta.

É preciso pensar em estratégias intercontinentais de longo prazo para uma economia próspera, moderna, competitiva e neutra, a partir do investimento em soluções tecnológicas realistas, desde a pequena até a grande escala, que de fato contribuam para aprimorar processos, garantir eficiência, prever resultados e evitar danos ao meio ambiente. A Climate Policy Initiative (CPI), thinktank internacional que publica análises anuais sobre ações climáticas, estima que o financiamento total relacionado ao clima foi de US$ 530 bilhões em 2017. Mas para a América Latina, o financiamento continua a ser um grande desafio pois apenas utiliza entre 7% e 8% dessa fatia.

Em 2020, o programa promovido pela União Europeia pioneiramente no Brasil e no México ganhará escala regional e será também, ampliado para o Chile, Argentina, Colômbia e Canadá, em um importante passo para a criação de novas parcerias e o desenvolvimento de soluções efetivas de combate às emissões de gases de efeito estufa. A internacionalização de soluções europeias inovadoras recebe o apoio de Clusters criados para facilitar o networking, desenvolver a colaboração internacional, apoiar a cooperação em novas cadeias de valor e ampliar a competitividade em setores estratégicos. É um bom exemplo de como a colaboração pode ser instrumentalizada para alcançar metas ambiciosas.

 

Mercedes Blázquez é líder do Low Carbon Business Action in Brazil, programa financiado pela União Europeia que realiza o intercâmbio de PMEs do Brasil e da Europa para a criação de soluções em setores que beneficiem a economia de baixo carbono e a redução dos Gases de Efeito Estufa.

VENDAS MELHORES

Fernanda Lemes*

Um dos melhores anos de resultados do seu time já começou. Você está preparado para o campeonato? Líder, lembre-se que você é o exemplo do seu time, é quem faz a seleção dos melhores jogadores, cria estratégias e acompanha individualmente seus liderados para que o desempenho em campo seja satisfatório. Afinal, ganhar o jogo é o foco! O placar está exposto para que todos vibrem com o resultado. A pausa estratégica durante o jogo reforçará o objetivo dessa partida, o time se reúne e rapidamente enxerga o que não está dando certo e cria novas estratégias para ganhar a partida.

Para facilitar o entendimento desta estratégia, relacionei abaixo as 4 Disciplinas da Execução para aplicar no seu dia a dia do varejo:

  1. Foco – você recebeu a estrutura do campeonato, identificou que serão várias partidas para ser o grande vencedor. O que fazer? Reúna seu time e estabeleça junto com eles quais serão as MCIs (Metas Crucialmente Importantes). Lembrando que para ganhar a partida não podemos ter metas fracas, então dê poder aos seus jogadores, clareza para que enxerguem que é possível vencer, ou seja, crie um jogo para que eles possam jogar e ganhar.
  1. Medidas de Direção (Alavancas) – são novos comportamentos que direcionam o trabalho para a conquista dos resultados. Dê ênfase ao que o time precisa fazer para ganhar o jogo. Adote, por exemplo o aumento no ticket médio e pergunte ao seu time como eles farão para que esse resultado aconteça.

 

  1. Placar envolvente: engajamento – adote um painel criado pelo seu time. O placar vai indicar se o time está ganhando ou perdendo. E convenhamos, ver nosso time em 1º lugar é gratificante!

 

  1. Responsabilidade (Prestação de Contas) – Aqui, os integrantes do time apresentarão seus resultados através do placar envolvente. Nada de reuniões de uma hora ou mais! Realize encontros rápidos e frequentes, nos quais o time se compromete a mover o placar por meio de ações a serem realizadas para ganhar o jogo.

 

Para engajar seu time na Cultura das 4 Disciplinas da Execução, é necessário comprometimento e muita dedicação. E, no final, muita comemoração por ter inserido essa metodologia que faz primeiro o mais importante. Que esse texto guie seus próximos passos!

Até breve =)

* Fernanda Lemes é especialista em varejo e gestora de Customer Success da SetaDigital, empresa de Tecnologia da Informação especializada no setor calçadista adquirida recentemente pela Linx. A gestora apresentará este tema durante a 40 Graus – Feira de Calçados e Acessórios que acontece em João Pessoa – PB.

COMCAP

O que acontece com o poder público municipal, que não conseguem resolver os sempre anuais problemas de greve na Comcap?

NOVO

Rei Momo foi eleito. O boa praça comediante e alegria contagiante: Marcos Willerding. Parabéns!

REVITALIZAÇÃO

Da avenida madre Benvenuta será uma grande obra na gestão do prefeito Jean Loureiro.

DICA

O ocorrido com a cerveja que causou mortes em Minas Gerais, com certeza irá diminuir o consumo da loira de uma maneira geral no Brasil, mesmo no verão. Mas a dica é: Fique esperto com as bebidas alcoólicas elas não combinam com direção.

PERGUNTO

Os motoristas de aplicativos como UBER, quando se envolvem em acidentes com vítimas, o carro tem que ter seguro total, para cobrir possíveis danos pessoais?

FRASE

” Em um mundo onde todos os dias se matam de ódio, morra de amor!” Luca Martini.

LEITURA

O BISPO – Carlo Maria Martini. “Desejo falar de como o bispo vive concretamente. Quero descrever sua relação com as pessoas com quem tem contato, como passa os diversos momentos de seu dia, quais são seus principais compromissos, o que acontece quando encontra as pessoas… Lembro-me de que, em minha infância, eu considerava o bispo alguém que estava como em um nicho ou pedestal na Igreja para ser homenageado pelos fiéis. Neste livro, quero baixá-lo desse lugar e vê-lo em contato com o povo, como de fato acontece. Pretendo exprimir algo que dê uma imagem sua menos nebulosa e hierática, mas viva e sem falsas pretensões.” O cardeal Carlo Maria Martini propõe uma reflexão inédita, fruto de sua experiência pessoal, sobre uma figura institucional muito citada na imprensa, mas talvez não muito conhecida. Da pergunta “como alguém se torna bispo?” até a narração das relações amigáveis, críticas ou polêmicas com crentes e não crentes, chega-se às características que tornam o bispo capaz de viver e de anunciar o Evangelho no mundo pós-moderno

ABRAÇOS

Coluna Opinião Formada – Walter Lemos Filho – E-mail: walterlemos1961@gmail.com

 

 

 

Publicidade