Publicidade

Walter Lemos Filho

E-mail: walterlemos1961@gmail.com

BOM DIA

Cryspynyana e Cryspina. (Foto Divulgação)

Meu bom dia desta quinta-feira, vai em dose dupla, para as aniversariantes deste mês de janeiro Cryspynyana, e Cryspina. Gêmeas baianas, as duas são pessoas sensacionais. Boa energia, sorriso fácil, e o verdadeiro estilo alegre dos baianos. Deixo aqui meu desejo de saúde, paz, e felicidades em suas vidas.

VERDADE

Seja dita: ” Este Avaí faz coisas…”

NOVAS

Placas entram em vigor dia 31/01. A obrigatoriedade é somente para casos de primeiro emplacamento.

PERFUMES

Maquiagens, acessórios, grifes e outros badulaques, não transformam as pessoas sem carácter.

APRENDIZAGEM DIGITAL

Com os avanços ocorridos nos dois últimos séculos, a educação tem encontrado dificuldades em acompanhar os desenvolvimentos econômico e tecnológico, caracterizados basicamente pela transição do estágio da produção artesanal para a industrial e desta para a tecnológica.

A economia e o mercado de trabalho vivem mudanças céleres, o modelo educacional pouco se transformou e, quando mudou, fez de maneira lenta e sem efetividade. A tecnologia, em especial a informática, que deveria favorecer de forma mais significativa a democratização do conhecimento, no que concerne ao ambiente educacional ainda é mal utilizada e não cumpre, em muitos casos, suas finalidades fundamentais.

Esse descompasso propõe uma análise sobre a importância de como utilizar as novas tecnologias na educação e como isso tem gerado insegurança pela classe docente, já que a grande maioria não se sente preparada para lidar com algo que, sob o seu ponto de vista, parece complexo.

O desafio é grande, pois além de não estarem confortáveis com chegada de novas tecnologias no contexto da escola, os agentes educacionais — gestores e professores — não estão aptos para o uso de tais ferramentas e a falta de informação e insegurança quanto ao destino da profissão fizeram com que se desenvolvesse, no âmbito da escola, um foco de resistência que até hoje perdura e atrapalha a implantação de novas tecnologias.

Por outro lado, houve falhas na implantação da informática na escola. Não se criou uma estrutura de suporte ao educador para lidar com a tecnologia. Logo, para muitos educadores, a revolução tecnológica na educação surgiu não só como um grande problema, mas como um mito.

Com o passar do tempo, no entanto, ficou comprovado que o uso das tecnologias de comunicação e de informação, contribuem significativamente para que professor e aluno interajam com mais propriedade no processo de ensino e de aprendizagem e esse novo cenário tem-se apresentado como contribuição para a educação.

Entre tantas outras possibilidades, contamos com motores de buscas inteligentes, a partir de comandos verbais, que utilizam a comunicação natural e a tradução simultânea. Os programas educacionais tornaram-se mais atraentes a partir do uso do áudio e vídeo.

Observamos ainda um leque de possibilidades para os estudantes organizarem e criarem conteúdo a partir de grupos e comunidades com os quais se mantêm conectados, associados a uma infinidade de recursos de mobilidade que ocupam, cada vez mais, um espaço considerável na vida das pessoas.

Importante ressaltar que os professores, têm avançado mais no campo das novas tecnologias educacionais e descobrindo variados usos criativos e significativos, o que contribui para que os alunos se reconheçam como aprendizes por toda a vida.

No entanto, é oportuno lembrar que ainda temos alguns fatores limitantes e que postergam o avanço do uso das novas tecnologias no ambiente escolar. Para muitos professores, o principal fator ainda reside no receio de perder o controle sobre suas aulas e as atividades realizadas. Portanto, as instituições precisam desenvolver ações e programas que minimizem esses problemas e contribuam para a formação continuada do corpo docente, além de dotá-lo de maior capacidade para lidar com as novas tecnologias.

Na discussão do uso das novas tecnologias, é preciso discutir o modelo educacional linear utilizado no meio educacional e que limita a utilização das novas tecnologias. O modelo torna o aluno passivo, que memoriza e repete informações já não cabe mais aqui. Nesse sentido, diversos estudos demonstram que a aprendizagem é muito mais eficaz quando oriunda da experiência prática, calcada na solução de problemas, no pensamento crítico e interação dos alunos. Aqui, novas tecnologias podem contribuir ainda mais para garantir a aprendizagem significativa.

É necessário promover uma mudança na “cabeça” dos principais agentes envolvidos: professores, alunos e pais. Para isso, é fundamental alterar o atual modelo de educação — permeado com a rica contribuição que as novas tecnologias oferecem para qualificar a formação que os estudantes de hoje necessitam.

*Renato Casagrande é palestrante, conferencista e consultor em liderança educacional, autor de livros e presidente do Instituto Renato Casagrande.

COMO COMEÇAR UM NEGÓCIO DO ZERO

Veronicah Sella

Hoje, o Brasil tem quase 52 milhões de empreendedores. Ou seja, de cada cinco pessoas, dois decidem começar um negócio próprio, segundo o levantamento Global Entrepreneurship Monitor (GEM) , maior estudo unificado de atividade empreendedora no mundo. São lutadores, idealizadores que, por necessidade e/ou oportunidade, resolveram ser seus próprios patrões.

Começar um negócio requer paixão e uma inquietude (quase) eterna para fazer as coisas acontecerem, porque, ao contrário do senso comum, o empreendedor trabalha mais e está sempre à mercê de grandes riscos – estabilidade não faz parte do seu dia a dia. Então, é preciso ter muita vontade, automotivação, atitude e não ter medo de tomar decisões. Empreender é um exercício diário de fazer as coisas acontecerem.

Com essa verdade em mente, o primeiro degrau dessa escalada é identificar-se com um nicho e estudar profundamente sobre ele, mergulhando a fundo sobre tudo o que o envolve: concorrência, pontos de venda, produto, posicionamento, marca e fornecedores; para ter total conhecimento e domínio do seu segmento. Nesse estudo, devemos identificar uma dor e decidir quais recursos (produto ou serviços) serão utilizados para saná-la.

E isso vai muito além do que se acha que o futuro empreendedor precisa, é colocar-se no lugar do possível cliente e identificar o que ele necessita. Exemplo disso é abrir um bar que toca MPB, e os moradores locais, que, inevitavelmente, irão frequentar o estabelecimento, preferirem pagode ou sertanejo – a dor, nesse caso, não foi sanada e haverá erros e prejuízos. Portanto, o público deve ser o foco da sua empresa – como vou resolver ou fazer parte da vida dele e beneficiá-lo de alguma forma?

Preparar um plano de negócio – apesar de parecer moroso – é uma parte importante deste processo, fazendo valer o estudo, mostrando caminhos traçados e uma visão do todo. O documento também ajuda a planejar a velocidade desse percurso, considerando-se a velocidade de adaptações que o mundo corporativo pede (ou seria, exige?).

Se a decisão for iniciar uma empresa sozinho, é preciso conhecer muito o mercado – o que demanda tempo, energia e investimentos. O modelo de franchising ou franquias antecipa um pouco disso em vista que o processo já foi testado e aprovado, trazendo consigo um passo a passo. Mas, a escolha depende de cada perfil, porque franquias têm regras que precisam ser seguidas. Aos criativos e inquietos, o ideal são empreendimento próprios, em que podem fazer suas próprias regras e inovações.

Networking e os contatos também são importantes – os primeiros clientes de quase todos os negócios são os parentes e amigos. Concorrentes ou empresas que trabalham no mesmo nicho ou correlatos podem se tornar parceiros, derrubando o mito de que concorrência é ruim; elas podem otimizar e trazer benefícios para os dois lados. O boca a boca ainda tem muita valia e um falar e indicar o outro gera crescimento e admiração mútuas.

Para fazer o barco navegar mais tranquilamente, a escolha correta do capital humano é como achar o vento direcional. Vale, portanto, aceitar suas fragilidades e buscar uma equipe com perfis que se complementem, e que comprem a sua ideia, fazendo a marca crescer.

E lembre-se “Se começou perfeito, já começou tarde”, porque a perfeição é uma utopia. O momento de empreender é aquele em que se há uma certeza, internamente, do sucesso. A absoluta vem da experiência e rápida adaptação ao mercado e sua velocidade feroz.

* Veronicah Sella é Co-fundadora da marca Criamigos, rede de franquias de pelúcias personalizáveis

DICA

CIC Centro Integrado de Cultura exibe gratuitamente 17 obras do cineasta franco-suiço Jean-Luc-Godard. Começou no dia 22 e prossegue  nos dias 27, 28 e 29 de janeiro, nas tarde e noites.

FRASE

” O humor é irmão da poesia, o humor é quem denuncia, eu não tenho possibilidade de consertar nada, mas eu tenho a obrigação de denunciar tudo, o humor é tudo, até engraçado.” Chico Anysio

Uma palavra tão pequena, com um poder tão grande.

LEITURA

O HOMEM DA LUA – William Joyce. Escritor, ilustrador e cineasta premiado, William Joyce, ganhador do Oscar pelo curta de animação Os fantásticos livros voadores de Modesto Máximo, transforma personagens que fazem parte do imaginário infantil, como a fada do dente, o coelho da Páscoa e o Papai Noel, em super-heróis na série Os Guardiões da Infância, que chega aos cinemas em breve como A origem dos guardiões. O homem da lua, primeiro da série voltado para os pequenos, apresenta o fundador dos guardiões, aquele que defende as esperanças e desejos das crianças, numa trama guiada pela imaginação e grandiosamente ilustrada.

ABRAÇOS

Coluna Opinião Formada – Walter Lemos Filho – E-mail: walterlemos1961@gmail.com

 

Publicidade