Publicidade

No último sábado (26/09/2020), Salete Cardoso foi obrigada pela maioria dos 23 candidatos a vereador pelo PL em Biguaçu a ser candidata a prefeita.

Salete havia fechado acordo para apoiar Vilson Alves para prefeito e seu lançamento como candidata para prefeita em 15 de setembro último na realidade era apenas “teatral”. Explicamos.

A vereadora sabe que suas chances eleitorais como candidata a prefeita são reduzidas, ainda mais tendo adversários de peso.

Sua reeleição a vereadora é certa, pois ela conta com um exército de comissionados e cabos eleitorais.

No entanto, para atrair candidatos a vereador com boa votação para seu partido, o PL, ela viveu dizendo que era “candidata a prefeita”.

Alguns acharam piamente que ela não seria candidata a vereadora e filiaram-se no PL para se lançarem candidatos a vereador.

No entanto, Salete mudou a conversa na última sexta (25/09/2020) dizendo que iria para a vereança, o que provocou acalorada discussão partidária no sábado (26/09).

No final, Salete recuou dizendo que iria ser mesmo candidata a prefeita, mas a confusão ainda não está no fim. Segundo os bastidores, a vereadora, que está desesperada, tentará até o dia 1º de outubro encontrar uma desculpa para anunciar que será candidata a vereadora.

Se isso acontecer, ela está afundando-se no famoso “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.”

Se for candidata a prefeita, é grande a chance de ela ter uma derrota e, com isso, passar os próximos quatro anos fora do poder, o que poderá ser desastroso para uma pessoa que já fez da política a sua profissão.

Se for candidata a vereadora, se insistir nisso, boa parte dos 23 candidatos a vereador do PL poderá abandonar o barco. Sem esses candidatos trabalhando pedindo voto, Salete corre o risco de não se eleger porque depende do quociente eleitoral.

O quociente eleitoral é um cálculo cujo resultado oferece o número mínimo de votos que um partido tem de conquistar para poder eleger o primeiro vereador.

Por exemplo, o quociente é 2.500 votos. Todos os candidatos do PL teriam de conquistar, no mínimo, todos juntos, 2.500 votos para que o partido conquiste uma vaga na câmara de Biguaçu.

Salete tem votos, mas não suficientes para não precisar da votação dos outros candidatos para ter o quociente.

Portanto, ela precisa do grupo unido, mas os 23 candidatos a vereador do PL sabem que, se forem a campo pedir votos, estarão elegendo Salete. Não querem fazer o papel de “otários”.

Salete pode prometer que, se eles a apoiarem, ela arranjará cargos comissionados na prefeitura e na câmara a partir de 2021.

Mas aí há dois problemas. Ela já tem um exército de cabos eleitorais e comissionados. Como é que vai conseguir mais cargos para os candidatos a vereador pelo PL descontentes?

Nem estamos falando do segundo problema: quem em sã consciência aceita o “fio de bigode” de uma mulher que viveu dizendo que seria candidata a prefeita, mas, no último, lançou-se candidata a vereadora e acabou provocando a confusão toda?

Por isso, não é exagero dizer que Salete encontra-se numa encruzilhada provocada pelo famoso “tentar ser mais esperta do que a esperteza”.

Por fim, o JBFoco contatou a vereadora via whatsapp para saber se ela irá ou não honrar o compromisso dela ocorrido na acalorada reunião de sábado (26/09/2020) perante os 23 candidatos a vereador do PL em não se lançar candidata a vereadora.

Não recebemos resposta ainda.

 

https://chat.whatsapp.com/IG6sLw6aHO5CjRXeBtSCkM

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio Carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade