Publicidade

Ozias Alves Jr

E-mail: reportagemjbfoco@gmail.com

 

اثنان لايشبعان: طالب علم و طالب مال

(Ionain la yaîhaean talih zilm uu talih mel)

Há duas pessoas que jamais estarão satisfeitas: a que procura o conhecimento e a que procura o dinheiro.

Sabedoria árabe (Esta frase resume a vida do Prof. Freire, que tinha uma sede insaciável pelo conhecimento e pela SABEDORIA).

“Gu tian sai sù”

Ser amigo dos sábios debaixo do céu (Ser amigo dos sábios da Terra= do mundo “debaixo do céu”)

Sabedoria chinesa (Esta frase resume a amizade entre o jornalista Ozias e o professor Freire)

 

Na noite de sábado (17/10/2020), no Rio Grande do Sul, faleceu aos 89 anos de idade, Carlos Amaral Freire, professor e poliglota que recebeu o certificado do Guinness como o brasileiro que conseguia traduzir mais textos em línguas estrangeiras. Ao todo, profº Freire estudou 150 idiomas.

Carlos sofria de Alzheimer que o afetou nas memórias de curto prazo e tinha problemas circulatórios. Infelizmente ele teve de amputar parte de uma perna recentemente. A condição de saúde deteriorou-se rapidamente ao longo das últimas semanas acabando no falecimento.

Eu o vi pela última vez em fevereiro deste ano quando o visitei em Canela, cidade do norte do Rio Grande do Sul, onde professor Freire estava morando, com a esposa, dª Veroni.

Eu viajei ao Rio Grande do Sul para entregar um lote de meu livro “Língua Hunsrück- Introdução à História, Gramática e Cultura do Alemão mais antigo do Brasil” à sra. Solange Johann, da Equipe Hunsrik, da cidade de Santa Maria do Herval, situada próxima de Canela, na Serra Gaúcha. A equipe hunsrik coordena várias atividades de difusão e resgate do idioma alemão hunsrik naquela cidade.

Aproveitei a ocasião para visitar o professor Freire, que não o via havia alguns anos, depois que ele se mudou de Florianópolis para o Rio Grande do Sul.

Foi uma alegria imensa visitá-lo em todos os sentidos e, inclusive, presenteá-lo com meus livros sobre línguas minoritárias brasileiras.

 

ENTREVISTA

Como sempre, tivemos uma longa conversa. É verdade que, desta vez, o professor Freire estava sofrendo do Azheimer, mas o que estava um pouco comprometido era suas memórias de curto prazo. Já as de longo prazo, estavam intactas.

Aproveitei a ocasião para entrevistá-lo. Pensei na importância do documento. Como meu celular não tinha grande capacidade de armazenamento para vídeo, optei por gravar em áudio. A entrevista completou durou uma hora e disponibilizei-a no You Tube. O link é o seguinte:

https://www.youtube.com/watch?v=waWdhnvUkSo

 

Carlos Amaral Freire. Foto tirada em fevereiro de 2020. (Foto Ozias Alves Jr)

A REPORTAGEM

Conheci o professor Freire em 2004. A história foi a seguinte: um grande amigo meu, Manhal Kasouha, professor de árabe e russo e hoje tradutor juramentado de árabe no estado de Santa Catarina, me telefonou dizendo que havia sido visitando por um senhor que sabia mais de 100 idiomas.

Ou seja, Manhal estava informando-me em primeira mão a respeito de uma pessoa singular com o qual ele teve uma conversa em russo e em árabe.

Resumindo: como jornalista, “farejei” ali uma grande matéria. E foi. Consegui o telefone dele com Manhal, marquei a entrevista, publiquei a matéria em outubro de 2004 no jornal Biguaçu em Foco e, em 2005, com esta reportagem, acabei ganhando o prêmio “Pena de Ouro” de melhor matéria do ano naquela ocasião.

GRANDE AMIZADE

Assim começou a grande amizade com o professor Freire, que morava num sítio no Morro das Pedras, no interior de Florianópolis.

Eu o visitava sempre que podia. Carlos possuía uma biblioteca inacreditável. Eram centenas de manuais de ensino dos mais variados idiomas do planeta e uma infinidade de livros de literatura dos inúmeros países que ele visitou.

Professor Freire, que já foi adido cultural da Embaixada do Brasil na Bolívia na década de 1980, conheceu muitos países e sua biblioteca particular mostrava esse “rastro de cultura” internacional.

 

INFLUÊNCIA

O professor Freire me emprestava muitos livros e foi ele quem me apresentou uma coleção intitulada “Parlons”, publicado pela editora L´Harmattan, com sede em Paris, França.

Foi ele quem me sugeriu escrever para essa editora e sugerir a publicação de meu estudo particular sobre o “dialeto” alemão de Biguaçu, o hunsrückisch.

Lembro-me de minha hesitação alegando que fazia décadas que eu tinha parado de estudar francês e como eu iria conseguir publicar um livro todo em francês, sendo que eu nunca tinha pisado meu pé na França?

Professor Freire disse-me para não pensar assim. Disse-me ele que conseguiria escrever em francês etc.

Palavras proféticas. Entrei em contato e consegui publicar a obra. Entre 2010 a 2020, acabei publicando seis livros para essa coleção.

Quando visitei o professor Freire pela última vez em fevereiro deste ano de 2020, levei os volumes dos meus livros que faltavam para a coleção dele. Em todos eles, o nome do professor Freire e da dona Veroni sempre em destaque nas dedicatórias.

 

CONVERSAS E LEITURAS

Quando visitava o professor Freire, iniciava-se uma conversa de horas toda focada em idiomas. Percorríamos literalmente o planeta Terra abordando os vários idiomas e seus contextos.

Professor Freire contava a respeito dos escritores, linguísticas e eruditos que conheceu pessoalmente. Comentava sobre a política linguística de vários países.

E comentava sobre momentos de suas viagens pelo mundo e sobre alguns livros específicos que adquiriu, sendo alguns com dedicatórias dos autores que admirava.

 

Carlos Amaral Freire. (Foto Ozias Alves Jr) 23.02.2020
Homenagem da Unisul. (Foto Ozias Alves Jr)

TRISTEZA

A morte é inevitável. Professor Freire viveu muito e intensamente, porém pensava que ele ainda teria mais uns 10 a 15 anos. Quem sabe um centenário para registrar nos jornais.

Mas a vida é assim. Uns vão mais cedo, outros mais tarde.

Mas a tristeza que tenho foi não ter publicado uma biografia a respeito do professor Freire. Sim, um livro contando DETALHADAMENTE toda sua trajetória.

Quando eu o visitava no tempo em que ele morava em Florianópolis, não tinha o hábito de gravar vídeos. Eram conversas informais, relaxantes.

Mas Freire era um manancial de grandes histórias.

A exceção foi em duas ocasiões. As histórias foram tão interessantes que puxei meu bloco, anotei e depois publiquei as matérias no JBFoco.

A primeira foi a história de um antepassado do professor Freire por parte de pai que morreu na Guerra do Paraguai. Não consegui localizar a matéria agora porque só tenho os arquivos de 2017 para cá. Os números de 1993 até 2017 estão nas encadernações.

Mas a história desse antepassado foi que ele havia sido um herói numa batalha da guerra do Paraguai. Canhões do exército paraguaio estavam fazendo muitas baixas na cavalaria dos brasileiros e esse antepassado do professor Freire atacou lançando os canhões para tirá-los de ação. Ele pegava os canhões a laço.

E este foi atingido por um canhonaço a pouca distância e que atingiu parte da perna.

Outra história foi com sua mãe. A irmã mais velha do professor Freire era vizinha do famoso escritor Érico Veríssimo (1905-1975), em Porto Alegre (RS).

Veríssimo havia publicado um romance que se tornou épico intitulado “O Tempo e o Vento”, no qual ele apresentava uma história romanceada do Rio Grande do Sul.

A mãe do professor Freire ficou indignada com o romance. A razão foi a seguinte: Érico Veríssimo criou um personagem cujo sobrenome era Amaral. Tratava-se de um coronel que vivia na região fronteiriça entre o Rio Grande do Sul e a Argentina.

No romance em questão, o coronel Amaral era um monarquista e lutava contra os republicanos farroupilhas, que queriam transformar o Rio Grande do Sul num país independente. A revolução farroupilha aconteceu entre 1835 a 1845.

A indignação da mãe do professor Freire foi que quatro antepassados dela (eram quatro irmãos), de sobrenome Amaral, lutaram pelos farroupilhas. Três deles inclusive morreram em batalha pela causa farroupilha.

A mãe pediu à filha para esta transmitir sua indignação ao escritor Érico Veríssimo. Este respondeu que se tratava de uma obra de ficção.

Essas duas histórias estão registradas por pormenores no JBFoco e estariam numa biografia do professor Freire.

A minha tristeza foi não ter registrado outras histórias do professor Freire, como o dia em que ele foi interrogado pela polícia após retornar de uma viagem à antiga União Soviética ou como ele chegou ao Irã viajando de ônibus da Itália até lá para candidatar-se a professor na Universidade de Teerã quando estourou a revolução de 1979, entre outras histórias. Ou a história de seu pai, um gaúcho literalmente da fronteira, que se comportava como um típico gaúcho cujo revólver era seu terceiro braço, ou do irmão deste último, que resolvia as coisas também na base do revólver, entre outras histórias de um mundo de soldados e intelectuais.

Sim, a família do professor Freire tinha soldados que lutaram, morreram e peleavam nas guerras do Rio Grande do Sul como também intelectuais, sendo um apaixonado por idiomas.

A história do professor Freire é uma história do Rio Grande do Sul com todos os tipos de enredos.

Não iniciei a pesquisa para uma biografia sobre o professor Freire porque, além da completa falta de tempo por causa do trabalho no jornal e depois na faculdade de letras, sem citar os livros da França, a ficha não me caiu. Não tinha dado-me conta da possibilidade da morte do professor Freire que sempre aparentou-me uma pessoa de grande vivacidade e de notória boa saúde. Deveria ter dado o “start” da pesquisa, mas posterguei. Os problemas de saúde do professor Freire vieram há pouco tempo quando estava aproximando-se dos 90 anos de idade.

Escrever uma biografia com o biografado ainda vivo ajuda na medida em que, quando aparecem dúvidas, podemos consultar a pessoa homenageada para ela esclarecer os fatos.

Infelizmente perdi essa oportunidade.

 

MENSAGEM

À dona Veroni, filhos, netos e a bisneta, nossos mais profundos pêsames.

Deus proteja sempre a todos e ao grande professor Carlos Amaral Freire, meu mais profundo sentimento de gratidão.

 

Salmo 23

1 O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.

2 Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.

3 Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.

4 Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.

6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

 

ANEXO

Reportagem publicada em outubro de 2004 pelo jornalista Ozias Alves Jr sobre a vida de Carlos Amaral Freire, reportagem esta que recebeu o prêmio “Pena de Ouro” de melhor matéria do ano pela Adjori (Associação de Jornais do Interior de Santa Catarina).

 

Acredite se quiser! Este homem sabe 110 línguas e está a cinco idiomas de bater o recorde mundial

 

Carlos Amaral Freire, 73 (idade em 2004), o maior poliglota vivo do Brasil, mora num sítio discreto na entrada do Morro das Pedras, Florianópolis. Seus vizinhos não imaginam que ele conhece nada mais nada menos que 110 idiomas.

Continuando nesse ritmo, em dois anos, Carlos Freire baterá um recorde mundial: o do ser humano que consegue traduzir mais línguas no mundo. Hoje tal recorde é atribuído ao cardeal italiano Giuseppe Mezzofanti (1774-1849), que comprovadamente conseguia traduzir 114 línguas. Como Freire estuda duas línguas por ano “de cabo a rabo” (como diz o povo), ele deverá estar entrando em seu 115º idioma em 2007.

Freire é um discreto professor aposentado, avesso a badalações e nunca se “acha o tal”, apesar que é o “tal”. Pelo menos, a universidade britânica de Cambridge não o esqueceu quando fez a lista dos dois mil maiores intelectuais do século 20.

A honraria saiu em 2001. A prestigiada universidade enviou ao professor, via correio, o diploma “2000 outstanding Scholars of the 21st Century in honor and outstanding in the Field of Linguistis and Education” (Dois mil notáveis intelectuais do século 21 em honra e notabilidade no campo da Lingüística e Educação). Sobre essa honraria, ninguém sabe, nem foi manchete do jornal Nacional.

Freire é muito humilde. Nunca conta vantagem de sua inteligência prodigiosa, nem para corrigir a versão da imprensa de que um comerciante nascido na Libéria, país africano, mas de origem libanesa, Ziad Youssef Fazah, 50, é considerado o maior poliglota vivo no mundo.

Fazah, que é casado com uma brasileira e mora no Rio de Janeiro, fala 58 línguas. “ Eu já emprestei muitos livros de línguas para ele. Quando ele viu minha biblioteca pela primeira vez, ficou fascinado. Ziah tem uma memória fantástica!”, conta Freire.

Só para se ter uma idéia em comparação entre Ziad e Freire: em novembro do ano passado, o professor lançou um livro intitulado “Babel de Poemas”, com 60 poesias escritas em 60 línguas diferentes. O livro tem a poesia original com a tradução de Freire ao lado num português impecável.

O leitor poderá estar perguntando-se: Freire realmente sabe falar, ler e escrever 110 línguas?

É claro que não. Ele sabe falar, ler e escrever fluentemente uns 30 idiomas. O restante sabe ler e escrever ou às vezes entende (se o nativo não falar rápido como um “manezinho” da ilha de Santa Catarina). No entanto, em todas as citadas línguas, o professor tem capacidade de traduzir para sua língua materna português qualquer uma das 110 línguas que estudou com ou pouco auxílio de dicionários. Daí o recorde que ele está para conquistar e poderia constar no Guiness.

O professor conta que às vezes ele esquece algum idioma, principalmente aqueles registrados em escritas exóticas. “ Uma vez fui ler um texto em coreano e eu não me lembrava mais a escrita direito. Estudei o coreano 30 anos atrás e nunca mais tive tempo de estudá-lo porque estava envolvido no estudo de outras línguas. Então, peguei o manual, reli, estudei a escrita e em poucas horas, lembrei novamente a escrita. Consegui ler o texto”, conta.

Freire é muito metódico no estudo dos idiomas. Estuda cientificamente em todos os aspectos. Começando pelo fonológico, entrando na gramática, memorizando vocabulário e testando a sintaxe.

“Sempre começo estudando o sistema fonológico”, salienta Freire que pronuncia bem os sons. Quando fala inglês, parece um norte-americano falando. Quanto ao português, pronuncia tão bem as palavras que nem parece ser um gaúcho (vale lembrar que os gaúchos em geral não pronunciam o “s” do plural nem conjugam certo a 2ª pessoa do singular.)

Carlos mora numa casa de dois andares com duas bibliotecas. Na do andar de baixo ficam os livros de línguas que o intelectual vêm estudando e consultando mais. Na de cima está guardada a maioria de seus livros- 90% manuais de estudo de idiomas e literatura do mundo inteiro.

Na biblioteca do andar térreo, há um quadro em árabe que exprime exatamente a alma singular de Freire. Está escrito, segundo lê Carlos naquela tabuleta que o homem comum acha que é um monte de “cobrinhas amestradas” tal como parece a escrita árabe a primeira vista: “Ionain la yaîhaean talih zilm uu talih mel” (Há duas pessoas que jamais estarão satisfeitas: a que procura o conhecimento e a que procura o dinheiro.”

Na biblioteca do andar de cima, encontram-se duas tábuas de madeira entalhadas em chinês e servindo de suporte às prateleiras. Na da direita, está escrito: “Dû gu rén shû” (Leia os clássicos). Na da esquerda, “gu tian sai sù” (Ser amigo dos sábios debaixo do céu).

Professor Freire explica que “debaixo do céu” significa “mundo”, “terra”, ou seja, a mensagem quer dizer que, enquanto vivemos neste plano, devemos embeber-nos do que tem de melhor da sabedoria divulgada pelos sábios da Terra.

As duas mensagens- em árabe e em chinês- exprimem a força interior que move Freire- não esgotar nunca sua “fome” por conhecimento (viver eternamente “insatisfeito” à procura de novas línguas), ler o que o mundo já produziu de bom, melhor e dignificante e ser amigo da sabedoria em todos os aspectos.

“Nunca pensei em dinheiro na minha vida. Minha vida foi movida pela vontade de apreender”, observa Carlos.

 

Intelectual nasceu no Rio Grande do Sul e percorreu o mundo para estudar línguas

 

Carlos Amaral Freire nasceu em 27 de outubro de 1931, em Dom Pedrito, cidade gaúcha na fronteira com o Uruguai.

Freire despertou-se para as línguas muito cedo. Tinha um tio espanhol muito culto, que possuía uma vasta biblioteca, na qual havia muita literatura hispânica e italiana. “Eu me interessei em aprender italiano”, conta Carlos, que cedo aprendeu espanhol por viver numa região de fronteira e escutar o “portuñol”, um idioma híbrido de português e espanhol misturados com pitadas de gramática própria.

Em 1961, aos 30 anos de idade, formou-se na faculdade de letras neolatinas da Pontifícia Universidade Católica (PUC), do Rio Grande do Sul. Naquela mesma universidade, formou-se em 1966 em Letras Anglo-Germânicas.

Seu “curriculum vitae”, tal como suas 110 línguas, é vasto. Resumindo-o (se isso for possível sem que não esteja faltando algo para contar sobre a vida desse singular homem), Carlos trabalhou como professor primário, secundário e universitário.

Começou como professor de português, espanhol, inglês e francês. À medida que foi aprendendo idiomas, Freire recebia convites para lecionar em universidades e trabalhar com intérprete. Trabalhou no governo do estado do Rio Grande do Sul e Petrobrás, entre outros lugares.

Tornou-se tradutor juramentado de 12 idiomas e conheceu o mundo devido às infinidades de bolsas de estudo que ganhou para fazer cursos em universidades de vários países do mundo.

Na Universidade do Texas (EUA), estudou lingüística; na Espanha fez pós-graduação em filologia românica. Aproveitou sua estadia na Espanha e fez um curso diferente do que estava habituado a fazer: “relações internacionais” na famosa Escola Diplomática de Madri.

Na Itália, ganhou uma bolsa para aprofundar-se no estudo da língua egípcia. Adorador do escritor russo Dostoievski, Freire estudou com afinco o idioma russo para lê-lo no original.

Por saber russo e chinês, Carlos acabou demitido da refinaria Alberto Pasqualini, situada em Canoas, perto de Porto Alegre (RS), onde ele trabalhava como intérprete.

Motivo: foi considerado “subversivo”. Eram os anos 1970 e a ditadura militar no Brasil estava no auge. Vivia-se a rivalidade da “Guerra Fria” e o russo e o chinês eram considerados as línguas dos “comunistas”.

Descobertas- Carlos saiu no Brasil e rondou o mundo fazendo cursos, participando de congressos lingüísticos. Entre 1980 a 1990, morou na Bolívia. Era o adido cultural da Embaixada do Brasil naquele país. Foi convidado a ser “Leitor”. Esta palavra, muito usada no meio acadêmico, designa um professor estrangeiro que se transfere para uma universidade do exterior com o objetivo de lecionar curso de sua língua materna.

Freire foi ensinar português na Bolívia e lá aproveitou para pesquisar duas exóticas línguas indígenas daquele país- o Quetchua e o Aimara.

E Carlos deixou sua marca na biblioteca de lingüística mundial. Descobriu a semelhança fonológica das duas citadas línguas indígenas bolivianas com o georgiano, idioma falado na Geórgia, país que integrava a antiga União Soviética (1917-1991).

“A gramática do quetchua e aimara é próxima a da língua turca, do grupo ural-altaico”, explica Freire.

Publicou seu estudo “Quetchua e aimara: Dos estúdios contrastivos” (1984), pela universidade de Sucre (Bolívia) em parceria com a embaixada do Brasil naquele país.

Isso quer dizer o seguinte para quem não é familiarizado com história e lingüística. Os índios da Bolívia são certamente descendentes do mesmo povo que séculos mais tarde deu origem aos turcos e aos georgianos, isto é, na antiguidade houve alguma migração de gente da Ásia que chegou à América. E um rastro disso Carlos descobriu comparando as línguas dos índios bolivianos com o georgiano e o turco.

Livros- Carlos publicou pouco. Apenas seis livros, o último dos quais uma coletânea de poemas traduzidos de 60 línguas. Este livro- “Babel de Poemas”- está nas livrarias desde novembro do ano passado. “Não é fácil conseguir publicar algo no Brasil”, resume Freire.

Entre suas monografias, escritas em português ou em espanhol, está “La intraducibilidad de la poesia china” (1991), um estudo inédito sobre o tema.

 

Carlos traduz livro da esposa do ditador Milosevitch e sofre na guerra de Kosovo

 

Em 1998, Carlos Freire foi convidado a implantar o curso de português na universidade de Belgrado, capital da Iugoslávia. Lá saiu da rotina de leituras, estudos, trabalho mental silencioso da escrivaninha.

Logo estouraria a guerra do Kosovo (“Kosôvo”, explica Freire, não “Kôsovo”, como pronuncia o brasileiro).

Para quem não se lembra, “Kosôvo” era uma província da Iugoslávia que decretou independência. O presidente iugoslavo da época, Sloboban Milosevitch, não aceitou e mandou tropas para acabar com a independência. Estourou a guerra civil e os Estados Unidos e a ONU intervieram. Belgrado foi bombardeada.

Carlos estava lá quando estourou a guerra. “Os alunos que estava fazendo o curso de português não foram mais à aula por causa dos bombardeios”, conta Freire.

Da sacada de casa, via as luzes dos bombardeios e da artilharia que, em vão, tentava acertar os aviões. “ Os americanos bombardearam um prédio de 40 andares. O míssel atingiu o 25º andar, onde ficava a rádio da filha de Milosevitch. A bomba só destruiu aquela sala. Nunca vi tamanha precisão”, conta Carlos.

“Desgraça pouca é bobagem. Um dia Belgrado sofreu um terremoto de manhã; à tarde do mesmo dia foi bombardeada”, relata.

Não deu de agüentar o tranco, como diz o povo. Freire deu um jeito de cair fora daquele país rumo à Itália com medo de ser atingido pelos mísseis norte-americanos.

Antes Freire tinha sido convidado pelo governo iugoslavo para traduzir ao português o livro da esposa de Milosevic “Noc i Dan” (Noite e Dia, em serbo-croata, língua da Iugoslávia- que bela pergunta para o “Show do Milhão?!”). Fez o serviço, mas a tradução não foi publicada.“Era para ter sido publicada lá, mas Milosevitch foi deposto”, conta.

Macedônio- Na Iugoslávia, professor Freire estudou o “Macedônio”, uma língua que não tem nada a ver com o grego, conforme alguns imaginam já que a “Macedônia” foi a terra natal de Alexandre o Grande.

“O Macedônio é uma língua eslava, parente do russo e do polonês”, explica Carlos.

Freire foi entrevistado por um jornalista da Macedônia, província da Iugoslávia. O repórter perguntou se a entrevista podia ser em macedônio. O professor respondeu que ainda não porque havia começado a estudar essa língua havia poucos dias.

Um mês depois, o mesmo jornalista solicitou uma nova entrevista com o professor Freire.

– Agora o senhor pode me entrevistar em macedônio, disse Carlos em perfeito macedônio ao repórter, que ficou espantado com a rapidez com que Freire aprendeu aquela língua em tempo recorde.

Reportagem num jornal da Iugoslávia sobre o professor Freire. (Foto Reprodução)
Fotos Ozias Alves Jr

 

Intelectual fala sobre algumas das línguas que estudou

 

Entre as 110 línguas que aprendeu, encontra-se o “Esperanto”, idioma inventado por um médico de origem judaico-polonesa chamado Lazar Ludwig Zamenhof (1859-1917). “ É uma língua brilhante. Só não se tornou hoje a língua internacional por causa de interesses políticos dos Estados Unidos e outros países do 1º mundo”, explica.

Quando lecionou certa vez para uma turma de 4ª série primária, Freire experimentou ensinar Esperanto para ver o que dava. “A experiência foi frustrante porque as crianças não sabiam o que é substantivo, o que é adjetivo, advérbio”, comenta.

Carlos conheceu pessoalmente Francisco Lorenz, um tcheco que imigrou para o Brasil no final do século XIX e veio morar no Rio Grande do Sul.

É de Francisco Lorenz a gramática de Esperanto mais popular vendida no Brasil (Freire aprendeu Esperanto com este livro). Lorenz notabilizou-se por ser um poliglota que sabia mais de 100 idiomas. Morreu na pobreza e sua biblioteca não contava mais do que 40 livros. O mistério: como conseguiu aprender 100 línguas? Os espíritas atribuem à mediunidade de Lorenz, isto é, traduzindo: aprendeu boa parte das línguas com auxílio dos espíritos (?). Lorenz morreu na década de 1950.

“Eu cheguei a visitar a casa dele. Era muito pobre. Era um homem notável”, comenta Carlos. “Lorenz chegou a conhecer pessoalmente o inventor do Esperanto, o dr. Zamenhof, quando ele morava ainda na Europa”, informa Freire.

Em vida, Lorenz publicou um livro intitulado “Diverskolora Bukedeto”, no qual reuniu poesias de uma infinidade de idiomas traduzidas para o Esperanto. Este livro, publicado pela editora espírita, inspirou Freire a fazer sua antologia de traduções “Babel de Poemas”, lançada em novembro passado por uma editora do Rio Grande do Sul.

Freire guarda em casa alguns manuscritos de Lorenz, entre os quais o início de uma gramática de chinês. “Veja a caligrafia desse homem: que capricho! Veja isso aqui. Ele escreveu em papel de embrulhar pão. Isso para se ter uma idéia da pobreza em que ele vivia. Que homem notável! Que inteligência!”, observa o professor, que guarda como um tesouro os manuscritos de Lorenz dados a ele pela família do finado.

Chinês- Entre as línguas que mais chamaram sua atenção, Freire destaca o chinês. “ É muito simples, no sentido lingüístico do termo. É uma língua simples em contraste com as indo-européias, por exemplo, que são línguas complexas. O chinês é extremamente conciso, não tem gêneros nem números gramaticais e o verbo não se conjuga. Simples não é sinônimo de fácil e, no caso do chinês, é antônimo. As estruturas simples tornam-se difíceis, confusas pois não sabemos como compará-las com as nossas.”

Dentro das próximas semanas, professor Freire receberá, pelo correio, mais dois livros- manuais dos idiomas Lapão e do Tamasheq, que serão suas 112ª e 113ª línguas respectivamente.

O Lapão é a língua da Lapônia, região ao norte da Finlândia. “ É a última língua européia que ainda não estudei. Com esta, terei completado todas as línguas da Europa”, observa. Já o tamasheq é o idioma do povo berbere, que vive no deserto do Saara, norte da África.

 

Biblioteca de manuais de idiomas do professor Carlos Amaral Freire. (Foto Ozias Alves Jr)
Nesta foto, o pensamento chinês que resume a vida do professor Carlos Amaral Freire: “gu tian sai sù” (Ser amigo dos sábios debaixo do céu), ou seja, ser amigos dos intelectuais que vivem na Terra. (Foto Ozias Alves Jr)

 

 

 

https://chat.whatsapp.com/D7vhA0aRnv1AwiF51xznxl

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio Carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade