Publicidade

Dino Montez

Email: montez.dino@gmail.com

 

“EU NÃO MANDO EM NADA, ELE (BOLSONARO) MANDA NA SAÚDE”

 

Jair Bolsonaro. (Foto Imagem de waldryano por Pixabay)

 

Pasmem, essa foi a primeira declaração pública do novo Ministro da saúde, Marcelo Queiroga, ao ser indagado pelos jornalistas em Brasília. Ou seja, para um bom entendedor, quem manda é o presidente. Ponto final.

O Cardiologista e Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, pelo jeito, não vai ter “pulso firme” para tocar seu ministério. Essa cobrança em cima dele feita pelo próprio presidente, causou furor na sociedade médica e nas autoridades de saúde de todo país, principalmente porque o novo ministro não vai ter liberdade de tocar seu projeto pessoal dentro do ministério e tudo tem que ter o aval final de Bolsonaro. Já vimos esse filme na gestão de Pazuello.

Não deu certo e a saúde colapsou em todo país. Vamos aguardar.

“ POR MIM, SEM LOCKDOW”

 

Carlos Moisés da Silva. (Foto ADI-SC)

 

Essa foi a declaração do governador Carlos Moisés, durante entrevista ao jornalista Raphael Faraco, da NSC, em sua residência oficial. Moisés, sempre deixou bem claro, ser contrário ao lockdow nos municípios catarinenses, deixando essa responsabilidade para cada prefeito.

Até seu “ Grupo Gestor” conhecido como COES, órgão auxiliador e responsável pela política de saúde em Santa Catarina, ele tinha desfeito. Como gestor público, em sua primeira experiência na função, nosso governador, provou não estar preparado para o cargo. Inexperiente geral. Precisa se preparar muito.

Enquanto isso, aglomerações, comércio sem uma fiscalização ampla por parte do estado, falta de vacina, de Uti e por aí afora continua nesse “caos generalizado” em que nosso estado está vivenciando.

EMPURRA- EMPURRA

 

Covid-19. (Foto Imagem de Helena Jankovičová Kováčová por Pixabay)

 

Vergonhoso para nós catarinenses ver uma situação de um jogo de empurra-empurra do governo do estado com os municípios nessa indefinição de quem deve ou tomar decisões sobre medida de restrições.

A justiça catarinense demorou, muito por sinal, para entrar nessa briga sanitária e decidir dar a palavra final. Tanta gente morrendo, tantos hospitais pedindo socorro por falta de equipamentos e profissionais, sem contar UTIs e essa responsabilidade sendo jogada de um lado para o outro sem precedentes.

Estamos com o Mapa em vermelho, estamos perdendo a cada dia muitos catarinenses, estamos perdendo a batalha e nossos governantes estão agindo como crianças e só acertam com a interferência da justiça.  Chega!

 

CONSÓRCIO NO SUL

Os governadores Ratinho (PR), Eduardo leite do (RS) e o Coronel da PM Carlos Moisés (SC) estiveram reunidos na capital catarinense e resolveram criar um “consórcio do Sul” para aquisição de insumos hospitalares e a compra de vacinas.

É, na minha opinião, uma excelente medida o trabalho conjunto dos três principais estados brasileiros. Se forem depender do governo federal vão ficar “ a ver navios” pela morosidade vía Ministério da Saúde.

O objetivo é combater o crescimento do coronavírus nos estados do Sul com hospitais lotados, falta de insumos, UTIs e da própria vacina que não chegou como planejado. O apoio econômico também entrou na pauta de discussões entre os governadores, porque há a necessidade de auxiliar esse setor afetado também pela pandemia. Vamos aguardar resultados práticos dessa ação conjunta.

 

SAIU TARDE

General Eduardo Pazuello entregou o boné nessa semana e já saiu tarde do governo. Inexperiente na área, sem nenhuma experiência em saúde, sem pulso firme na condução da pandemia no Brasil e sem o aval dos governadores.

Pazuello, não disse porque veio e nem vai marcar sua passagem pelo Ministério da saúde. Incompetência na função.

O médico Marcelo Queiroga, que não é um nome expressivo na área política, mostra-se ser mais competente na função. Ele, segundo o que se apurou, é amigo pessoal de Bolsonaro e sua família.

Se vai ter liberdade total para trabalhar, ninguém sabe ainda. Bolsonaro deixou bem claro que tudo tem que “passar por ele” antes que tomem qualquer decisão.

RESTRIÇÕES MEIA BOCA

Justiça “jogou a toalha” para os prefeitos de Santa Catarina no controle das restrições e nas medidas que foram tomadas essa semana pelo crescimento da Covid-19 em todo estado. Quando se esperava um “pulso firme” e uma cobrança ainda maior do governo catarinense, nada foi feito.

Com a total responsabilidade e sem interferência, prefeitos estão preocupados com o aumento de doentes nas 22 cidades da região metropolitana.

Essas novas regras adotadas essa semana em toda região, vai durar até a semana vem com fechamento parcial do comércio para evitar aglomerações. Vai resolver? Não!

 

AUMENTO DE NOVO, NÃO, NÉ?

Se não bastasse a precariedade que a maioria das pessoas vem enfrentando com aumentos em produtos alimentícios e ainda a falta de emprego, governo anunciou, via Petrobras, mais um aumento dos combustíveis para ferrar o brasileiro.

A empresa anuncia aumento a cada onze dias e o que podemos esperar por aí? Só esse ano de 2021 a Petrobras aumentou os combustíveis onze vezes.

Em nossa região ainda encontramos posto vendendo gasolina a R$ 4,69 o litro, mas em São José, Biguaçu e em Palhoça R$ 5,55 o litro.

Essa conversa que o governo iria baixar o imposto federal sobre os combustíveis ficou na conversa.

PRESOS VACINADOS ANTES

Uma vergonha e um “ tapa nos cornos” assim diz o linguajar popular a medida do Ministério da Saúde em imunizar os presos contra a Covid-19 antes dos policiais.

Só me faltava essa de mais uma bagunça do Ministério da saúde. Os Secretários de Segurança de todo país logo se manifestaram contrários a essa decisão, porque milhares de policiais e agentes penitenciários estão na linha de frente e nem sequer tem vacina para todos.

Por enquanto o cronograma continua sendo o que está planejado no momento, mas a massa carcerária está incluída no Plano Nacional de Imunização.

DINHEIRO MOVIMENTANDO COMÉRCIO

A liberação do governo federal do novo “ auxílio emergencial” vai vir com surpresa esse ano e com redução no valor à ser recebido.

Governo informou que grande parte da população vai receber 150 reais, ou seja, 20 milhões de pessoas nessa categoria e outros 16 milhões de beneficiários os 250 reais prometidos pelo governo e liberados pela Caixa Econômica Federal.

A pergunta que não quer calar: vai ter transparência nesse novo saldo disponibilizado e com fiscalização?

Muitos devem lembrar que centenas de pessoas com boas condições e sem necessidade desse benefício receberam o dinheiro em detrimento de milhares de desempregados e passando necessidades. Vamos ficar de olhos bem abertos.

 

https://chat.whatsapp.com/HX3oIbM7Efx3F342UtfYwX

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio Carlos, Governador Celso Ramos e região.

Publicidade