Por: Ozias Alves Jr. | 14/11/2018

 

Como os leitores já sabem, nas horas vagas (algumas vezes da madrugada), escrevo livros sobre línguas minoritárias brasileiras e já publiquei cinco livros na França, sendo que o sexto deverá sair nos próximos meses.

Por causa desse trabalho, venho fazendo amizade com muitos falantes desses idiomas minoritários por esse imenso Brasil, boa parte do qual o Brasil não conhece.

E agora resolvi escrever este artigo para enviar a vários desses amigos que estou conquistando para sugerir a seguinte ideia: que eles abram páginas na enciclopédia eletrônica Wikipedia para justamente difundir seus idiomas.

Criada em 2001 pelo norte-americano Jimmy Wales, a Wikipedia tornou-se um dos três mais populares sites da internet hoje em dia. Neste momento, já possui 30 milhões de documentos em 277 idiomas diferentes.

Trata-se de uma enciclopédia em que qualquer internauta pode contribuir, inclusive criando páginas em idiomas minoritários que ainda não estão nesta página da internet.

Quando criou a página, Wales tinha a seguinte ideia: que se uma criança de uma aldeia pobre da Índia, por exemplo, falante de um idioma falado por apenas mil pessoas, tivesse a oportunidade de encontrar artigos em sua língua tribal. Em papel, não há, nem teria viabilidade econômica, publicar uma edição da Enciclopédia Britânica no idioma tribal dessa criança, mas pela internet, esse sonho é possível e a Wikipedia está aí para demonstrar a viabilidade da ideia de oferecer educação e cultura em todas as línguas da terra sem discriminação.

 

CRIAÇÃO

Numa rápida pesquisa, não há hoje na Wikipedia páginas em idiomas como o guarani mbya, xokleng, hunsrückisch e patuá di Macau.

Escrevi para o professor indígena xokleng, Namblá Gakran. Este me ajudou com preciosas informações para o livro “Parlons Xokleng”, que publiquei ano passado.

Namblá defendeu recentemente seu doutorado pela Universidade de Brasília com uma tese sobre o idioma xokleng. Sugeri a Namblá que ele criasse uma página na Wikipedia na sua língua tribal. Não preciso dizer que ele é autoridade em idioma xokleng/ laklãnõ.

Hoje não há página nesse idioma indígena catarinense. Por isso, se Namblá criar, as escolas da terra indígena de seu povo teriam uma página para divulgar o idioma e o espaço auxiliaria na educação local.

Escrevi para Omar Ivanovitch, cigano do clã mathuano, do Rio Grande do Norte, idioma que irei no futuro para o Parlons. Sugeri a ele, que é estudante de direito numa universidade local e fluente em seu próprio idioma, que também criasse a página de sua língua falada por 25% dos ciganos do Brasil.

Também enviei e-mails a amigos da comunidade macaense de São Paulo e da própria Macau, sul da China, para que também pensassem na criação de uma página no idioma Patuá di Macau, língua esta que estou atualmente pesquisando.

E a sugestão vai também para o sr. Leonídio Zimmermann, ativista do idioma hunsrückisch, aqui na comarca de Biguaçu. Por que não criar uma página em “Hunsrückisch biguaçuense”? E a escola da aldeia dos índios guarani mbyá de São Miguel, Biguaçu? Por que vocês, comunidade indígena biguaçuense, não criam uma página em guarani mbyá na Wikipedia.

Vale lembrar que já existe uma página em guarani do Paraguai.

 

ALIMENTANDO

Ainda não sei como se faz para se criar uma página na Wikipedia, mas fuçando, é possível descobrir. Algum jovem que sabe melhor computação não poderia ajudar o seu Leonídio a criar a página do hunsrückisch biguaçuense? Secretário municipal de educação de Antônio Carlos. Que pensa dessa ideia? Ajude, por favor, o seu Leonídio nessa ideia. O telefone dele é (48) 3243-3522.

Se o seu Leonídio for orientado, ele certamente aos poucos irá alimentando essa página com verbetes em seu precioso idioma. Quais verbetes? Ele poderia pegar os da Wikipedia em português, traduzi-los para o hunsrückisch e adicioná-los na página do idioma “Made in Biguaçu”. Ao longo do tempo, o hunsrückisch far-se-ia presente belo e formoso entre as 277 (agora 278) existentes na Wikipedia.

Já a aldeia guarani de São Miguel, Biguaçu, tem uma grande vantagem. Possui uma escola bilíngue, conta com computadores e os próprios alunos, orientados pelos professores, podem alimentar a futura página de guarani mbyá.

 

FUTURO

A Wikipedia é alimentada por voluntários do mundo inteiro. Há pessoas que escrevem pequenos verbetes. Se o colaborador escrever um verbete pequeno por semana, serão 48 no final do ano. Com o tempo, aparecendo outros voluntários, a página cresce, incorpora grande volume de informações e a cultura dissemina-se.

E voltando a Biguaçu. Imaginemos que seja criada a página em hunsrückisch. Como a tendência é Antônio Carlos um dia oferecer aulas em idioma alemão nativo, quando chegar esse dia, os estudantes poderão contar com essa página para ler e consultar.

Espero ter contribuído com uma ideia simples, boa, original e perfeitamente viável para enriquecer a cultura do Brasil.

AVISO

Receba gratuitamente notícias da comarca de Biguaçu em seu whatsapp. Clique no link abaixo, adicione nosso número (4898484-7539) e dê um OK.

bit.ly/WhatsJBFoco