Por: Ozias Alves Jr. | 16/05/2018

Até outubro de 2016, mês em que se reelegeu prefeito de Biguaçu, Ramon morava numa casa na rua Avanir Freiberger, centro de cidade, entrada da avenida Marcondes de Mattos, aquela que liga o centro de Biguaçu ao bairro Praia João Rosa.

Numa rapidez meteórica, a casa foi derrubada e ali saiu uma agência bancária da Unicredi.

Não tem nada de errado nisso, absolutamente nada. Vamos deixar isso bem claro. O banco pode instalar onde bem entender (diga-se de passagem, é um banco muito bom, bonito e de tratamento VIP) e fazer negócios com quem bem entender também.

Mas o que chamou a atenção foi que, segundo informações junto a agentes imobiliários, o banco não teria feito qualquer consulta no mercado, isto é, contatado agentes para descobrir algum terreno no centro de Biguaçu ideal para a instalação de uma agência.

Infelizmente o banco em questão não respondeu nosso questionamento enviado via e-mail. Antes tivemos contato preliminar com a assessoria de imprensa do banco em questão. Como o banco em questão não é público, mas sim uma empresa particular, por lei, ele não é obrigado a nos responder. É uma pena. Poderia esclarecer as dúvidas, ainda mais a seguinte indagação: Por que o banco foi logo escolher o terreno de propriedade do atual prefeito?!!

Repetindo: não é crime, mas por que justamente no terreno do prefeito? Por que a mudança tão meteórica? Vale lembrar que a casa existia até outubro de 2016. Em questão de semanas depois das eleições, o imóvel foi abaixo e a atual agência do banco foi construída.

Antiga Casa de Ramon Wollinger até outubro de 2016. (Foto Google Images)

Casa de Ramon foi demolida após a eleição de 2016 e virou esta agência bancária, a da Unicred. (Foto JBFoco)

A LEI QUE DEVERIA HAVER

Uma coisa é o João comprar um terreno do prefeito. João é uma pessoa física, trabalhador que tem uma poupança ou pegou um dinheiro emprestado no banco para comprar terra. O comprador é um homem simples que não presta serviços ou vende bens para a municipalidade.

Outra coisa é um banco, uma fábrica, uma corporação ou uma empresa que pode oferecer serviços à prefeitura comprar o terreno do prefeito.

Entenderam qual o problema por detrás disso? Aliás, deveria haver uma lei prevendo isso e proibindo tal tipo de transação porque dá margem ao prefeito e outro agente público, pelo simples fato de deter algum poder, a tirar vantagem EM TESE do cargo direta ou indiretamente para fazer negócios particulares. Para evitar a possibilidade de qualquer tipo de abuso, a lei já deveria antever e evitar tal possibilidade.

Repetindo mais uma vez: não é crime, mas é problemático, muito problemático.

Segundo a prestação de contas de Ramon, o terreno na rua Avanir Freiberger não fora vendido. Logo conclui-se que o banco não é dono do terreno. Está correta essa informação, Ramon? Se o terreno não foi vendido em 2017 ou em 2018 (por isso não consta na Declaração de Bens da Justiça Eleitoral de 2016, único documento a que temos acesso, pois não temos acesso a sua declaração de imposto de renda), então a instituição construiu sua agência lá e paga atualmente aluguel ao prefeito?? Eis a questão.

Biguaçu (SC), terça, 20.02.2018.

 

Ilmo Sr. Diretor da Unicredi. 

(Aos cuidados da sra. Patrícia Feijó. E-mail: patrícia.feijo@unicred.com.br)

 

Evocando o direito à transparência das informações públicas, vimos mui respeitosamente solicitar informações referentes à instalação do Banco Unicredi em Biguaçu em propriedade do prefeito de Biguaçu, Ramon Wollinger.

Como se trata de uma propriedade de um agente público, portanto, cabível de esclarecimentos públicos, gostaríamos que o banco se pronunciasse a respeito das seguintes indagações:

  • O Unicredi comprou do prefeito Ramon Wollinger o terreno onde se encontra sua sede em Biguaçu, na rua Avanir Freiberger, início da avenida Marcondes de Mattos?
  • Pelo que nos consta, não houve compra. O banco teria alugado o terreno onde construiu sua sede em 2016. Quanto é o aluguel e quando começou o contrato?
  • Em entrevista com alguns corretores de Biguaçu, foi nos informado que nenhum deles recebeu visita de alguém do banco Unicredi com o objetivo de procurar um terreno ou imóvel para alugar para instalar essa instituição financeira. Como procedeu a iniciativa de construir logo depois das eleições municipais de 2016 o banco no terreno do prefeito reeleito?

Sem mais para o momento, reiteramos-lhes os mais sinceros votos de estima e consideração.

Atenciosamente

Ozias Alves Jr

Jornalista

AVISO

Receba gratuitamente notícias da comarca de Biguaçu em seu whatsapp. Clique no link abaixo, adicione nosso número (4898484-7539) e dê um OK.

bit.ly/WhatsJBFoco